Consórcio Oakvest/Portugália desiste da Comporta

O grupo que concorria à compra da Comporta informou a Gesfimo, sociedade que gere os ativos que estão à venda, que "não abdica dos seus direitos legais".

O consórcio formado pelo fundo Oakvest, a Portugália e a Sabina Estates, que no último processo de venda chegou a ser escolhido para negociações exclusivas para ficar com a Herdade da Comporta, decidiu não abdicar do direito de contestação, uma exigência feita a todos os concorrentes que quisessem participar no novo processo de venda, que arrancou no mês passado. O consórcio desiste, assim, da Herdade da Comporta, que fica agora com apenas dois candidatos conhecidos: o consórcio Vanguard Properties/Amorim Luxury e o investidor francês Louis-Albert de Broglie. A decisão foi comunicada, esta quarta-feira, em comunicado enviado às redações.

A decisão é tomada depois de, no final do mês passado, o Oakvest/Portugália ter deixado passar o prazo para assinar o compromisso de renúncia ao direito de contestação, uma exigência que a Gesfimo (empresa que gere os ativos que estão à venda) fez a todos os interessados na Herdade da Comporta, para abrir um novo processo de venda, depois de o último ter ficado fechado sem sucesso.

Na altura, o consórcio Oakvest/Portugália deixava em aberto todas as possibilidades. Não assinou esta declaração de renúncia ao direito de contestação, mas admitia vir ainda a assinar essa declaração e apresentar uma proposta até 20 de setembro, o prazo estabelecido pela Gesfimo. Por outro lado, estudava também a hipótese de ir para tribunal contestar o último processo de venda da Comporta.

Agora, vem esclarecer as razões desta decisão. Em comunicado, recorda que, no dia 11 de maio, a proposta de compra que tinha apresentado foi selecionada como a vencedora. “De acordo com as regras aceites por todos os concorrentes, entraria de então em diante num período de exclusividade de negociação para terminar a due dilligence, o que constituía condição precedente à conclusão do negócio”.

O consórcio reitera que “procedeu com total lisura no processo de aquisição dos ativos” que estão à venda, “de acordo com as regras estabelecidas pela Gesfimo”. E sublinha que a sua proposta foi a escolhida por “ser, no seu valor, superior em cerca de 30% à segunda proposta mais elevada”. Para além disso, considera, esta é “a única” proposta “que permite o pagamento integral das dívidas” do Fundo Especial de Investimento Imobiliário Fechado (FEIIF) Herdade da Comporta. Seria, assim, “evitada a falência do Fundo”.

Contudo, e como também reconhece, na assembleia geral de 27 de julho, “a proposta vencedora foi rejeitada pelo voto combinado do Novo Banco e da Rioforte, a que se juntou mais uma pequena minoria dos demais participantes”. Foi, então, lançado um novo concurso para vender a Comporta. O consórcio queixa-se da “incoerência e inconsistência da posição assumida” pelos participantes do FEIIF, que alegaram desconhecer os detalhes do processo de venda mas, ao mesmo tempo, “realçando o excelente trabalho efetuado pela Gesfimo”.

O Oakvest/Portugália decidiu, neste contexto, informar “a Gesfimo de que não abdica dos seus direitos legais, postos em causa pelos factos ocorridos na Assembleia Geral de 27 de julho”. Até hoje, acrescenta o consórcio, “as regras do novo concurso de venda dos ativos do FEIIF não foram comunicadas a este consórcio, apesar dos esclarecimentos pedidos junto da sociedade gestora”. Assim, “o consórcio não está disponível para entrar num novo processo, do qual não conhece o caderno de encargos e que não oferece o mínimo de garantia de que nele não venha a suceder um mesmo desfecho do concurso anterior com acrescidos e significativos custos”.

(Notícia atualizada às 13h23 com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Consórcio Oakvest/Portugália desiste da Comporta

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião