Decisão sobre a venda da Herdade da Comporta adiada para setembro

Os participantes do fundo que gere a propriedade escolheram adiar a decisão sobre a venda, concedendo aos interessados até 20 de setembro para apresentarem as suas propostas.

A corrida aos 1.300 dos 12.500 hectares da Herdade da Comporta ainda está longe de terminar. Segundo apurou o ECO, os participantes do fundo que gere a propriedade, reunidos esta sexta-feira em assembleia-geral, escolheram adiar a decisão sobre a venda, o que confirma a notícia do ECO, antecipada esta quinta-feira em primeira-mão.

Os interessados têm agora até dia 20 de setembro para apresentar a suas propostas que, desta vez, deverão ser obrigatoriamente vinculativas e acompanhadas de comprovativos de capacidade financeira. Os acionistas do fundo voltarão a reunir a 28 de setembro em nova assembleia-geral para, por fim, decidir quem fica com os dois ativos imobiliários que estão à venda.

De acordo com a proposta apresentada pelo Novo Banco e pela Rioforte à assembleia de acionistas, esta sexta-feira, a que o ECO teve acesso, o adiamento em causa resulta da falta de “elementos de informação inequívocos para valorar e hierarquizar as propostas recebidas” e do facto de nenhuma das ofertas contemplar “a globalidade dos ativos” à venda nem atingir os valores apontados pelos avaliadores independentes.

Mais, os participantes consideram que “só com a imposição de regras claras, transparentes e profissionais se poderá concluir com sucesso este processo”. Por isso mesmo, entre 20 e 28 de setembro, as propostas apresentadas serão submetidas a uma auditoria externa, apurou o ECO.

Menos um na corrida?

Acionista do fundo que gere a Herdade da Comporta adiaram a decisão sobre a venda para 28 de setembro.Paula Nunes / ECO

No âmbito desta operação, três propostas foram apresentadas: a do consórcio entre o milionário francês Claude Berda, da Vanguard Properties, e da empresária Paula Amorim (que oferece 28 milhões de euros em dinheiro pela compra do fundo, somados à assunção da dívida à CGD e aos créditos na DCR&HDC e aos Lotes das Casas da Encosta — totalizando 156,4 milhões de euros); a da holding Oakvest, controlada pelo empresário inglês Mark Holyoake, associada à família Carvalho Martins, dona da cadeia de restaurantes Portugália, e à Sabina Estates (que oferece 36,5 milhões de euros pelo fundo, somados à assunção da dívida à CGD e aos restantes créditos mencionados — 155,9 milhões de euros); e a do aristocrata francês Louis-Albert de Broglie (que oferece 159 milhões de euros).

A proposta do consórcio Oakvest/ Portugália/ Sabina Estates foi escolhida pela Gesfimo — fundo que gere a Herdade da Comporta — para ser levada, esta sexta-feira, à assembleia-geral. A oferta acabou, contudo, por não passar, tendo recebido mais de 80% de votos contra.

Nada foi apontado à proposta. O que aconteceu foi que o Novo Banco e a Rioforte decidiram fazer uma proposta de uma nova metodologia de abordagem, destruindo o processo, dizendo que é necessário fazer um outro processo para fazer uma nova escolha”, sublinhou, à saída da reunião, o representante legal da Oakvest, Rogério Alves.

De acordo com o jurista, os responsáveis da holding em causa estão “frustrados” com este resultado e provavelmente sairão da corrida. “Duvido muito que o cliente continue na corrida. Fomos corridos da corrida”, disse.

O advogado realçou ainda que não encontra “fundamento para que a melhor proposta seja assim rejeitada”, até porque “a Gesfimo teve um procedimento sério, correto e completo. Manteve ao corrente os titulares das unidades de participação”.

“Estamos para ganhar”

Consórcio Paula Amorim / Claude Berda mantém-se na corrida.Paula Nunes / ECO

Os representantes do consórcio Paula Amorim /Claude Berda mostraram-se, por outro lado, “muito contentes” com as novas condições apresentadas esta sexta-feira. “[O resultado da assembleia-geral] satisfaz bastante porque a nossa preocupação foi sempre que este fosse um processo transparente”, avançou o diretor geral da Vanguard Proprerties, em declarações aos jornalistas, no final da reunião.

José Botelho defendeu que a “única proposta firme” foi a apresentada pelo consórcio Paula Amorim/Claude Berda e sublinhou: “estamos para ganhar”. O responsável admitiu ainda rever a proposta, face aos documentos que irão ser agora distribuídos.

De acordo com Botelho, o projeto que será desenvolvido, caso o consórcio que representa ganhe a corrida, será de “excelente qualidade”. “É um projeto sustentável e que cria emprego permanente na zona”, nota o representante.

Finalmente, uma “competição transparente”

Aristocrata francês quer apostar num projeto sustentável.Paula Nunes / ECO

O aristocrata francês conhecido como príncipe jardineiro também se mostrou feliz com as alterações anunciadas esta tarde, sublinhando que agora sim está em curso um processo “transparente em termos de competição e de acesso aos documentos”.

Ainda assim, Louis-Albert de Broglie teme que a especulação que se gerará em torno desta operação acabará por prejudicar a biodiversidade da propriedade. “Quanto maior a subida dos preços, mais construção haverá na herdade e será prejudicial para o território e para as pessoas. Temos de ter um projeto que beneficiará o território, o ecossistema e a economia portuguesa”, reforçou.

Questionado sobre se está disponível para engordar a sua proposta, o aristocrata notou que terá de estudar essa possibilidade e acrescentou: “Se subirmos muito, tudo colapsa. Temos de ter cuidado”.

(Notícia atualizada às 18h12 com mais informação).

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Decisão sobre a venda da Herdade da Comporta adiada para setembro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião