André Luiz Gomes nega conflito de interesses na Comporta

O escritório assume que para existir "conflito de interesses têm de ser identificados interesses conflituantes, o que manifestamente não se verifica na circunstância".

O advogado André Luiz Gomes nega qualquer imputação à Luiz Gomes & Associados “de uma atuação em conflito de interesses”, admitindo que essa situação “não tem qualquer fundamento sério, sendo atentatória do bom nome e da dignidade profissional desta sociedade e de todos os seus colaboradores que diariamente nela exercem a sua atividade, guiados pelos princípios deontológicos da advocacia”, explica o advogado em comunicado divulgado ao ECO/Advocatus.

Em causa a divulgação de notícias que davam conta que a sociedade de advogados Luiz Gomes & Associados (LGPAS) estaria perante uma situação de conflito de interesses por causa da Herdade da Comporta. Segunda avançou o Jornal Económico na passada semana, o escritório liderado por André Luiz Gomes que assessora o grupo de Paula Amorim, interessado na Comporta, presta ainda assessoria jurídica a João Espírito Santo de Brito e Cunha, um dos participantes do fundo dono da Herdade.

Situação que, dizia a mesma fonte, “poderia constituir um eventual conflito de interesses por a sociedade estar, ao mesmo tempo, do lado do comprador e de um dos vendedores”.

Embora se trate de um escritório e não de um advogado singular, o Estatuto da Ordem dos Advogados prevê que um advogado não possa “aconselhar, representar ou agir por conta de dois ou mais clientes, no mesmo assunto ou em assunto conexo, se existir conflito de interesses desses clientes”, segundo o artigo n.º 99. O ECO tentou contactar o advogado e sócio principal do escritório André Luiz Gomes mas, até agora, sem sucesso.

Com efeito, para existir “conflito de interesses têm de ser identificados interesses confliituantes, o que manifestamente não se verifica na circunstância de o advogado do consórcio concorrente ser também advogado de uma pessoa singular titular de UPs do fundo vendedor. Ademais, sempre caberia aos legítimos titulares de tais interesses (privados) aferir da existência de alegado conflito. A Sociedade de Advogados que representava o outro Consórcio concorrente teve a mesma leitura representando uma pessoa singular titular de Ups do fundo vendedor na Assembleia Geral do passado dia 27 de Julho”, segundo o mesmo comunicado.

Relembrar que, na passada sexta-feira, em assembleia geral, os participantes do fundo que germe a propriedade escolheram adiar a decisão sobre a venda, concedendo aos interessados até 20 de setembro para apresentarem as suas propostas.

Os interessados deverão apresentar propostas obrigatoriamente vinculativas e acompanhadas de comprovativos de capacidade financeira. Os acionistas do fundo voltarão a reunir a 28 de setembro em nova assembleia-geral para, por fim, decidir quem fica com os dois ativos imobiliários que estão à venda.

De acordo com a proposta apresentada pelo Novo Banco e pela Rioforte à assembleia de acionistas, o adiamento em causa resulta da falta de “elementos de informação inequívocos para valorar e hierarquizar as propostas recebidas” e do facto de nenhuma das ofertas contemplar “a globalidade dos ativos” à venda nem atingir os valores apontados pelos avaliadores independentes.

Mais, os participantes consideram que “só com a imposição de regras claras, transparentes e profissionais se poderá concluir com sucesso este processo”. Por isso mesmo, entre 20 e 28 de setembro, as propostas apresentadas serão submetidas a uma auditoria externa, apurou o ECO.

Três propostas foram apresentadas: a do consórcio entre o milionário francês Claude Berda, da Vanguard Properties, e da empresária Paula Amorim (que oferece 28 milhões de euros em dinheiro pela compra do fundo, somados à assunção da dívida à CGD e aos créditos na DCR&HDC e aos Lotes das Casas da Encosta — totalizando 156,4 milhões de euros); a da holding Oakvest, controlada pelo empresário inglês Mark Holyoake, associada à família Carvalho Martins, dona da cadeia de restaurantes Portugália, e à Sabina Estates (que oferece 36,5 milhões de euros pelo fundo, somados à assunção da dívida à CGD e aos restantes créditos mencionados — 155,9 milhões de euros); e a do aristocrata francês Louis-Albert de Broglie (que oferece 159 milhões de euros).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

André Luiz Gomes nega conflito de interesses na Comporta

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião