Tancos: Ministro diz ser “fundamental ter garantia” que as lições foram aprendidas

  • Lusa
  • 28 Outubro 2018

"Aquilo que é fundamental é ter essa garantia, que todas as lições foram aprendidas, e penso que durante o próximo par de semanas será possível divulgar o resultado disso", disse o ministro da Defesa.

O ministro da Defesa afirmou este domingo ser “fundamental ter a garantia que as lições foram aprendidascom o “caso Tancos” e que no “próximo par de semanas” será possível divulgar resultados da auditoria à Polícia Judicial Militar em curso.

Aquilo que é fundamental para mim é ter essa garantia, que todas as lições foram aprendidas, e penso que durante o próximo par de semanas será possível divulgar o resultado disso, dar conhecimento aos jornalistas, à opinião pública”, afirmou João Gomes Cravinho, à margem da cerimónia militar que assinalou o fim da semana dedicada a celebrar o Dia do Exército, em Guimarães.

Fonte do Ministério da Defesa explicou à Lusa que João Cravinho referia-se aos “resultados da auditoria extraordinária aos procedimentos internos da Polícia Judiciária Militar [PJM], bem como às ações de investigação criminal desenvolvidas e promovidas por aquele corpo superior de polícia criminal, sendo que o relatório deverá estar concluído até ao final do ano”, investigação essa pedida a 4 de outubro ainda pelo anterior titular da pasta da Defesa, Azeredo Lopes.

Questionado sobre se o roubo de armas dos paióis de Tancos e a descoberta de uma alegada encenação por parte da PJM para encobrir o desaparecimento e a descoberta das armas abalou a confiança no Exército, o ministro foi perentório: “A confiança [dos portugueses] nunca deixou de estar lá“, disse. “Naturalmente que houve coisas que não correram bem, mas o fundamental é agora sabermos, termos a certeza que as devidas lições foram aprendidas”, explanou.

Sobre o que poderá mudar no Exército e na PJM, o ministro adiantou que “aquilo que vai mudar é a correção do que correu mal” e que isso “está num processo de examinação”. “O senhor chefe do Estado-Maior estará seguramente em posição de dar as garantias adequadas num curto período de tempo”, assegurou João Cravinho.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tancos: Ministro diz ser “fundamental ter garantia” que as lições foram aprendidas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião