Arrancou venda de dívida do Sporting. SAD alerta para riscos do caso Alcochete

No dia em que arranca a emissão de dívida do Sporting, a agenda é marcada pela detenção de Bruno Carvalho. Ainda "não é possível antecipar os impactos económicos" do processo de Alcochete, diz a SAD.

O Sporting vai vender 30 milhões de euros em obrigações, pagando um juro 5,25%.

A emissão de dívida lançada pelo Sporting arranca esta segunda-feira, ao mesmo tempo que se conhecem novos desenvolvimentos sobre o caso de violência na Academia de Alcochete, com Bruno de Carvalho detido, suspeito de ser autor moral dos crimes. Era este, precisamente, um dos riscos da emissão que foi apontado pela Sporting SAD no prospeto da operação: a incerteza relativamente ao desfecho do caso de Alcochete ainda pode custar ao clube vários milhões em indemnizações. Mais precisamente, o Sporting poderá ser chamado a pagar 6,8 milhões de euros.

O caso de Alcochete levou, em junho, à rescisão unilateral dos contratos por parte de nove jogadores do plantel principal do Sporting: Rui Patrício, Daniel Podence, Gelson Martins, Bruno Fernandes, William Carvalho, Bas Dost, Rodrigo Battaglia, Ruben Ribeiro e Rafael Leão. Bruno Fernandes, Bas Dost e Rodrigo Battaglia acabaram por recuar na intenção de se desvincularem do Sporting e foram reintegrados no plantel. O clube acabou também por chegar a acordo com William Carvalho e Rui Patrício, contratados, respetivamente, pelo Bétis e pelo Wolverhampton.

Sobram Daniel Podence, Gelson Martins, Rafael Leão e Ruben Ribeiro, com quem o Sporting ainda não conseguiu chegar a acordo. A estes quatro jogadores, a SAD pede indemnizações num montante total que ultrapassa os 273 milhões de euros, pelos prejuízos causados com o que considera ser uma “cessação ilícita” dos contratos. Pede 60,4 milhões de euros a Podence, 105,1 milhões a Gelson Martins, 45,2 milhões a Rafael Leão e 62,1 milhões a Ruben Ribeiro.

Mas, se vier a ser provado o envolvimento de Bruno de Carvalho no caso de violência em Alcochete, torna-se mais provável que o clube seja chamado a pagar indemnizações aos jogadores. Gelson Martins pede uma indemnização de 3,45 milhões de euros, Daniel Podence pede cerca de 830 mil euros e Rafael Leão outros 390 mil euros. Feitas as contas e somados os potenciais juros, o Sporting calcula que a fatura total possa ascender a 6,8 milhões de euros.

E há ainda outros impactos que não estão sequer calculados. “À data deste prospeto não é possível antecipar os impactos desportivos ou económicos que este processo possa provocar no emitente“, pode ler-se no prospeto da emissão de dívida. Quando este documento foi publicado, o estado do processo de Alcochete era outro. “Nem o Sporting Clube de Portugal, nem a Sporting SAD, nem qualquer membro dos respetivos órgãos sociais foram constituídos arguidos”, indicava o prospeto, publicado na sexta-feira, dois dias antes de Bruno de Carvalho ter sido detido.

O Ministério Público suspeita que o ex-líder do Sporting esteve envolvido na invasão à academia. Tal como o líder da claque Juventude Leonina, Bruno de Carvalho é suspeito de ter cometido o crime de terrorismo e pela autoria moral de crimes como ofensas à integridade física e sequestro. O Jornal de Notícias (acesso pago) dá conta de que, na base das suspeitas do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa, estão registos de mensagens de WhatsApp enviadas por Bruno de Carvalho, onde ordenava a Juve Leo a “ir para cima dos jogadores”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Arrancou venda de dívida do Sporting. SAD alerta para riscos do caso Alcochete

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião