Siza Vieira: “Construção naval portuguesa é um pólo de excelência”

O ministro Adjunto e da Economia enaltece investimento de Mário Ferreira na construção de mais dois navios, sobretudo porque projeta o setor da construção naval para o futuro.

O ministro Adjunto e da Economia, Siza Vieira, enalteceu esta terça-feira a manutenção da construção naval em Viana do Castelo, pela mão dos estaleiros da West Sea, do grupo Martifer.

“É com muita satisfação que um ministro da Economia pode testemunhar a assinatura destes contratos [um contrato com a empresa West Sea para a construção de mais dois navios no valor de 118 milhões de euros e um contrato de financiamento com o banco chinês ICBC no montante de 165 milhões de euros]”.

O ministro que falava durante a cerimónia de assinatura de contratos, em Viana do Castelo, mostrou-se particularmente agradado por estar em causa um setor como o da construção naval. “Manter a construção naval em Viana do Castelo depois de todas as dificuldades e sobretudo projetar para o futuro esta atividade como um pólo de excelência em mercados internacionais é motivo de satisfação”.

Na cerimónia estavam presentes para além dos altos quadros do Mystic Invest (holding do grupo de Mário Ferreira), os altos quadros da Martifer, bem como António Mota, da Mota-Engil, Alberto Castro, ex-chairman do Banco de Fomento, Lacerda Machado, administrador não executivo do grupo de Mário Ferreira, Maria Cândida do Banco Carregosa, Paulo Macedo da Caixa Geral de Depósitos, Eduardo Rocha, do fundo Vallis, entre tantos outros.

"Manter a construção naval em Viana do Castelo depois de todas as dificuldades e sobretudo projetar para o futuro esta atividade como um polo de excelência em mercados internacionais é motivo de satisfação.”

Pedro Siza Vieira

Ministro Adjunto e da Economia

Para Siza Vieira este investimento “só é possível porque encontra financiamento português e internacional”, numa referência ao banco ICBC que acaba de celebrar um contrato de financiamento com Mário Ferreira no montante de 165 milhões de euros.

Finalmente o ministro da Economia enalteceu ainda as capacidades das empresas portuguesas de internacionalizarem a atividade turística.

Já o empresário Mário Ferreira fez questão de agradecer a presença dos chineses em chinês, tendo enaltecido a parceria com o ICBC. “É uma parceria que acredito será frutífera para ambos”, salientou.

Por seu turno, Carlos Martins destacou a importância do grupo de Mário Ferreira no desenvolvimento dos estaleiros. “O Mário Ferreira é o primeiro responsável pelo sucesso dos estaleiros desde 2010 [primeiro com a Navalria e só partir de 2014 com os estaleiros de Viana]”.

O chairman da Martifer destacou ainda que a West Sea já entregou 15 navios ao grupo de Mário Ferreira. Os 13 primeiros representaram “um montante de 120 milhões de euros e estes dois vão duplicar este valor”, afirmou.

Carlos Martins relembrou ainda que os estaleiros que em 2014, estavam moribundos, recebem hoje diariamente “mais de mil trabalhadores, de 17 nacionalidades diferentes”.

Relações Portugal China justificam financiamento chinês

Wan Zen Yong, vice-presidente executivo do ICBC Leasing justificou o contrato com a empresa de Mário Ferreira com “as boas relações entre Portugal e a China”, numa clara alusão ao investimento chinês na economia portuguesa.

Paulo Macedo, presidente da Caixa Geral de Depósitos e um dos financiadores da construção dos dois novos navios diz que “a CGD tem capital e está sempre disponível para apoiar bons projetos”.

O banqueiro destaca “o grande de dinamismo do grupo de Mário Ferreira” e que se consegue afirmar internacionalmente em setores dominados por grande tecnologia.

Comentários ({{ total }})

Siza Vieira: “Construção naval portuguesa é um pólo de excelência”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião