Siza Vieira: “Construção naval portuguesa é um pólo de excelência”

O ministro Adjunto e da Economia enaltece investimento de Mário Ferreira na construção de mais dois navios, sobretudo porque projeta o setor da construção naval para o futuro.

O ministro Adjunto e da Economia, Siza Vieira, enalteceu esta terça-feira a manutenção da construção naval em Viana do Castelo, pela mão dos estaleiros da West Sea, do grupo Martifer.

“É com muita satisfação que um ministro da Economia pode testemunhar a assinatura destes contratos [um contrato com a empresa West Sea para a construção de mais dois navios no valor de 118 milhões de euros e um contrato de financiamento com o banco chinês ICBC no montante de 165 milhões de euros]”.

O ministro que falava durante a cerimónia de assinatura de contratos, em Viana do Castelo, mostrou-se particularmente agradado por estar em causa um setor como o da construção naval. “Manter a construção naval em Viana do Castelo depois de todas as dificuldades e sobretudo projetar para o futuro esta atividade como um pólo de excelência em mercados internacionais é motivo de satisfação”.

Na cerimónia estavam presentes para além dos altos quadros do Mystic Invest (holding do grupo de Mário Ferreira), os altos quadros da Martifer, bem como António Mota, da Mota-Engil, Alberto Castro, ex-chairman do Banco de Fomento, Lacerda Machado, administrador não executivo do grupo de Mário Ferreira, Maria Cândida do Banco Carregosa, Paulo Macedo da Caixa Geral de Depósitos, Eduardo Rocha, do fundo Vallis, entre tantos outros.

"Manter a construção naval em Viana do Castelo depois de todas as dificuldades e sobretudo projetar para o futuro esta atividade como um polo de excelência em mercados internacionais é motivo de satisfação.”

Pedro Siza Vieira

Ministro Adjunto e da Economia

Para Siza Vieira este investimento “só é possível porque encontra financiamento português e internacional”, numa referência ao banco ICBC que acaba de celebrar um contrato de financiamento com Mário Ferreira no montante de 165 milhões de euros.

Finalmente o ministro da Economia enalteceu ainda as capacidades das empresas portuguesas de internacionalizarem a atividade turística.

Já o empresário Mário Ferreira fez questão de agradecer a presença dos chineses em chinês, tendo enaltecido a parceria com o ICBC. “É uma parceria que acredito será frutífera para ambos”, salientou.

Por seu turno, Carlos Martins destacou a importância do grupo de Mário Ferreira no desenvolvimento dos estaleiros. “O Mário Ferreira é o primeiro responsável pelo sucesso dos estaleiros desde 2010 [primeiro com a Navalria e só partir de 2014 com os estaleiros de Viana]”.

O chairman da Martifer destacou ainda que a West Sea já entregou 15 navios ao grupo de Mário Ferreira. Os 13 primeiros representaram “um montante de 120 milhões de euros e estes dois vão duplicar este valor”, afirmou.

Carlos Martins relembrou ainda que os estaleiros que em 2014, estavam moribundos, recebem hoje diariamente “mais de mil trabalhadores, de 17 nacionalidades diferentes”.

Relações Portugal China justificam financiamento chinês

Wan Zen Yong, vice-presidente executivo do ICBC Leasing justificou o contrato com a empresa de Mário Ferreira com “as boas relações entre Portugal e a China”, numa clara alusão ao investimento chinês na economia portuguesa.

Paulo Macedo, presidente da Caixa Geral de Depósitos e um dos financiadores da construção dos dois novos navios diz que “a CGD tem capital e está sempre disponível para apoiar bons projetos”.

O banqueiro destaca “o grande de dinamismo do grupo de Mário Ferreira” e que se consegue afirmar internacionalmente em setores dominados por grande tecnologia.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Siza Vieira: “Construção naval portuguesa é um pólo de excelência”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião