Saída da Sonangol “apimenta” ângulo especulativo da Galp Energia, diz o BPI

O Caixabank BPI admite que a saída da Sonangol da Galp Energia colocada em cima da mesa por João Lourenço poderá "apimentar" o ângulo especulativo pela petrolífera liderada por Carlos Gomes da Silva.

A Galp Energia está na lista de ativos a vender pela empresa estatal angolana Sonangol. A saída poderá colocar pressão negativa sobre as ações, mas o Caixabank BPI admite que, pelo contrário, tal poderá “apimentar” o apetite especulativo pela petrolífera liderada por Carlos Gomes da Silva.

Essa perspetiva é apontada no Iberian Daily, onde a equipa de research do banco liderado por Pablo Forero comenta a intenção revelada pelo presidente de Angola, João Lourenço, de que o mais provável é que a empresa estatal Sonangol não venha a reforçar a sua posição na Galp Energia, nomeadamente através da compra da posição de Isabel dos Santos. “A tendência é precisamente contrária”, admitiu João Lourenço.

O presidente de Angola confirma que a Galp, “apesar de ter o mesmo negócio core da Sonangol, é um ativo não core insinuando de alguma forma a intenção de vender a sua posição“, começa por dizer o Caixabank BPI. “Caso se confirme, isso poderá apimentar o ângulo de fusões e aquisições da Galp, apesar de a especulação sobre potenciais mudanças na estrutura acionista da Amorim Energia estarem no mercado já há algum tempo”, acrescenta a equipa de research do banco.

Em causa está uma posição indireta na Galp, detida pela Sonangol através da participação da Esperaza na Amorim Energia. A Amorim Energia é uma holding detida em 55% pela família Amorim e 45% pela Esperaza. Por sua vez, a Esperaza tem como acionistas a Sonangol (60%) e Isabel dos Santos (40%). Feitas as contas, a Esperaza detém indiretamente 15,75% da Galp, numa participação avaliada em cerca de 2,2 mil milhões de euros a preços de mercado.

Relativamente ao BCP, instituição em que Angola também pretende desinvestir, o Caixabank BPI apenas refere que a notícia “está em linha com os anteriores comentários de que a Sonangol deveria sair de todos os ativos não core”.

Após um arranque positivo para os dois títulos nesta sessão, o BCP acelera os ganhos para 1,3%, para 24,97 cêntimos. Por sua vez, a Galp Energia que arrancou também em alta, vê as suas ações recuarem uns ligeiros 0,13%, para os 14,84 euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Saída da Sonangol “apimenta” ângulo especulativo da Galp Energia, diz o BPI

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião