França e Japão defendem aliança entre Renault e Nissan após detenção de Ghosn

  • Lusa
  • 20 Novembro 2018

Um dia depois da detenção do líder do grupo, Carlos Ghosn, os Governos francês e japonês reforçaram o seu apoio à aliança entre os construtores Renault e Nissan.

Os Governos francês e japonês reafirmaram esta terça-feira, num comunicado conjunto, o seu apoio à aliança entre os construtores Renault e Nissan, um dia após a detenção do líder do grupo, Carlos Ghosn, em Tóquio.

O ministro das Finanças francês, Bruno Le Maire, e o ministro da Economia japonês, Hiroshige Seko, “reafirmaram o forte apoio dos Governos francês e japonês à aliança entre Renault e Nissan”, numa conversa telefónica, indica o comunicado.

A aliança deu origem ao “primeiro construtor automóvel mundial e a um dos maiores símbolos da cooperação industrial franco-nipónica”, lembraram os dois responsáveis, exprimindo a vontade de manter esta “cooperação vencedora”.

Em 2017, a aliança Renault-Nissan-Mitsubishi atingiu, pela primeira vez, o primeiro lugar mundial do setor com 10,6 milhões de veículos vendidos. A Renault possui 43% da Nissan e o construtor japonês detém 15% do grupo francês, bem como 34% da Mitsubishi Motors.

O ministro francês tinha anunciado previamente a intenção de falar com o ministro japonês esta manhã para lembrar “o empenho de França na aliança entre a Renault e a Nissan”, dois construtores associados desde há quase 20 anos.

Le Maire pediu à Renault, detida em 15% pelo Estado, para avançar de imediato com uma liderança interina, uma vez que Ghosn “está atualmente impedido de dirigir a empresa”. O conselho de administração da Renault deve reunir-se durante esta à noite.

O conselho de administração da Nissan deve pronunciar-se sobre o afastamento do seu presidente na próxima quinta-feira de manhã.

Carlos Ghosn, 64 anos, foi detido na segunda-feira em Tóquio sob suspeita de violação de leis financeiras.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

França e Japão defendem aliança entre Renault e Nissan após detenção de Ghosn

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião