Casamento à vista. Nissan e Renault preparam fusão

Fabricantes automóveis Nissan e Renault estão a preparar a sua fusão e a criação de uma marca única. A notícia divulgada, esta quinta-feira, fez disparar os títulos da francesa.

As gigantes Renault e Nissan estão a preparar a sua fusão e a consequente criação de uma única fabricante automóvel. As negociações estão a ser lideradas por Carlos Ghosn, chairman de ambas as marcas, e prometem fazer substituir a atual aliança por um verdadeiro casamento. A notícia anunciada, esta quinta-feira, fez as ações da francesa dispararem 6%.

Atualmente, a Renault detém 43% da Nissan, que por sua vez é dona de 15% da sua contraparte francesa. A concretizar-se o acordo em discussão, os acionistas da Renault e da Nissan receberão títulos equivalentes na nova companhia, explica a Bloomberg. Já no que diz respeito à localização da sede da nova marca, Japão e França manter-se-ão os países escolhidos.

Fechar o casamento não será, contudo, tarefa fácil, explicam fontes próximas das empresas ao mesmo jornal britânico. O negócio terá de ser aprovado pelos Governos nipónico e francês, sendo este último detentor de 15% da Renault, o que pode complicar a decisão (já que França pode não querer perder o controlo ou ver a sua participação diluída). Talvez por isso, depois de vários meses de conversações, ainda não se conseguiu chegar a uma decisão final. Ambas as partes recusaram comentar os rumores.

Recorde-se que no início do mês a Reuters tinha anunciado que a Nissan estava a tentar comprar a participação do Estado francês na Renault. Isto pouco depois de Ghosn ter sublinhado que o Japão não aceitaria uma ligação mais próxima entre as marcas, se a França se mantiver como acionista da fabricante em causa.

O chairman, que assumiu como missão consolidar a aliança entre as fabricantes, salientou, no entanto, que não estava a tentar convencer o Estado francês a reduzir a sua participação. Ghosn disse, em fevereiro, que as companhias em causa iriam desenhar um plano para fazer do atual elo “irreversível”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Casamento à vista. Nissan e Renault preparam fusão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião