Luz Saúde já não está na bolsa. CMVM aprovou saída

Foi a última sessão da Luz Saúde na bolsa de Lisboa, depois de a CMVM ter aprovado o pedido de perda de qualidade aberta da empresa. Fidelidade vai comprar ações que ainda não detém por 5,71 euros.

A Luz Saúde teve esta quarta-feira a sua última sessão. A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) aceitou a saída da gestora de hospitais da bolsa de Lisboa. Agora, a Fidelidade tem três meses para comprar as ações que ainda não detém por 5,71 euros cada.

“A CMVM informa que, na sequência do requerimento apresentado em 3 de maio de 2018 pela Luz Saúde, em reunião do seu Conselho de Administração, realizada em 27 de novembro de 2018, foi deliberado deferir o pedido de perda da qualidade de sociedade aberta apresentado“, informou o regulador do mercado.

Esta decisão implica “a imediata exclusão da negociação em mercado regulamentado das ações da sociedade e dos valores mobiliários que dão direito à sua subscrição ou aquisição, ficando vedada a sua readmissão pelo prazo de um ano”, acrescentou.

A Luz Saúde estreou-se na bolsa há cerca de cinco anos, mais concretamente no dia 12 de fevereiro de 2014. Chegou ao mercado com o nome Espírito Santo Saúde e cada título a valer 3,20 euros. Sai hoje do mercado a cotar-se nos 5,60 euros.

A decisão de sair de bolsa foi aprovada pela maioria dos acionistas em abril.

(Notícia atualizada às 18h18)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Luz Saúde já não está na bolsa. CMVM aprovou saída

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião