Cinco números que mostram a utilização da internet em Portugal

Os portugueses estão cada vez mais adeptos da internet. Utilizam-na fora de casa, para fazer compras, trocar emails e, inclusive, para manter as contas debaixo de olho.

A internet já é uma das melhores amigas dos portugueses. Já lá vai o tempo em que era preciso estar em casa, sentado à secretária, para navegar no google ou abrir emails. Agora, em qualquer lado, através do smartphone, os portugueses utilizam a internet para fazer compras — seja de roupa ou de um bilhete para um concerto –, para trocar emails e, inclusive, para manter as suas contas debaixo de olho.

Conheça os cinco números, de acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), que mostram como é que os portugueses utilizam, hoje em dia, a internet.

75% dos portugueses utilizam a internet, mas na Europa já são 85%

Em Portugal, três em cada quatro pessoas são utilizadoras de internet. Segundo os número do INE, publicados durante a semana, “75% dos residentes em Portugal — entre os 16 e os 74 anos — referem ter usado a internet nos 12 meses anteriores à entrevista”. O número confirma a tendência de crescimento face ao início da década, quando apenas 53% população portuguesa, compreendida no intervalo de idades supracitado, utilizava a internet.

Contudo, olhando para a média dos 28 Estados-membros da União Europeia (UE), Portugal não está assim tão avançado. Embora a evolução se vá fazendo num sentido positivo, a utilização de internet é, ainda, distante da média da Europa. Em 2017, Portugal ainda registava uma diferença de dez pontos percentuais comparativamente à média da UE.

 

A ligação estende-se para fora de casa e do local de trabalho: 81% acede à internet em mobilidade

Já lá vai o tempo em que usar a internet era sinónimo de estar em casa, sentado à secretária à frente de um monitor gigante e pesado. Agora, as pessoas acedem à internet em qualquer sítio e têm à sua disposição um leque cada vez maior de equipamentos para fazê-lo.

O acesso à internet em mobilidade — ou seja, fora de casa, do local de trabalho e em equipamentos portáteis — é referido por 81% dos utilizadores de internet. A percentagem registada este ano duplica a proporção de há cinco anos.

79% acede à internet no smartphone, mas só 67% instala apps

Os utilizadores de internet estão a crescer e, paralelamente, a optar por outro tipo de equipamentos que permitam o acesso em qualquer lugar. O smartphone ou o telemóvel já são os principais equipamentos utilizados quando o acesso é feito em mobilidade. Enquanto o telemóvel é o meio escolhido por 79% dos usuários, o computador portátil assume apenas 36% das escolhas.

Mas, no que diz respeito à instalação de aplicações, a história já muda de figura. Entre as pessoas que acedem à internet através do smartphone, apenas 67% utiliza ou instala aplicações. As percentagens mais elevadas dizem respeito aos mais jovens, aos mais escolarizados e aos estudantes.

 

Roupa e equipamentos desportivos. Estes são os artigos que os portugueses mais compram online

Os portugueses estão cada vez mais adeptos do comércio eletrónico, sobretudo os homens e o grupo etário entre os 25 e 34 anos. Se, em 2017, o número de compradores online se situava nos 34%, em 2018, esse valor aumentou três pontos percentuais, para os 37%. Há dez anos apenas 15% das pessoas faziam compras através da internet, o que confirma a tendência de evolução.

Ainda assim, e mais uma vez, comparando com a União Europeia, os valores de Portugal seguem sendo inferiores. Aliás, a taxa da utilização de comércio online “tem vindo a ser persistentemente inferior à taxa de utilização na UE 28”. Em 2017, enquanto Portugal estava nos 34%, a média da União Europeia já se situava nos 57%.

Na internet, os portugueses preferem comprar roupa ou equipamentos desportivos (60%), seguindo-se as reservas de alojamento (48%), os artigos para casa (36%) e os bilhetes para espetáculos ou eventos culturais ou desportivos (30%). E os produtos e serviços que compram vêm, sobretudo, de fornecedores nacionais, sendo que 79% dos utilizadores de comércio eletrónico recorre a vendedores portugueses. Quando os fornecedores não nacionais, os portugueses preferem comprar a vendedores oriundos de países pertencentes à União Europeia.

No local de trabalho, 61% abre emails. Em casa, 52% utiliza net banking

Esta é daquelas tarefas que quase todas as pessoas, no âmbito da sua rotina profissional, acabam por fazer. Aliás, abrir o correio eletrónico é a primeira ação de muitos portugueses quando se sentam na cadeira do local de trabalho. De acordo com o INE, trocar emails é a atividade — que requer o uso de internet — mais transversal aos portugueses quando estão no seu emprego (61%).

Uma vez fora do local de trabalho, os portugueses estão a utilizar, cada vez mais, a internet para manter as suas contas debaixo de olho. Mais de metade dos utilizadores de internet (52%), entre os 16 e os 74 anos, já é adepto do banco online. Este número, que continua abaixo da média da UE, revela um aumento de dez pontos percentuais relativamente a 2017.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cinco números que mostram a utilização da internet em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião