Professores em risco de não verem progressão nas carreiras em 2019

  • ECO
  • 3 Dezembro 2018

Veto presidencial ou chumbo no Parlamento ao decreto-lei em que Executivo reconhece dois anos, nove meses e 18 dias obriga apenas o Governo a voltar às negociações sem limites, regras ou prazos.

Os professores podem vir a não ver contabilizado nenhum tempo de serviço, caso o Presidente da República vete ou o Parlamento chumbe o decreto-lei em que o Executivo reconhece aos professores dois anos, nove meses e 18 dias de tempo de serviço. O alerta foi deixada por um membro do Governo ao jornal Público (acesso pago), desta segunda-feira.

O membro do Governo lembra que com o chumbo no Parlamento do “ponto 2 da proposta do PCP, que exigia ‘uma solução legal que assegure a consideração integral do tempo de serviço’, o Governo “não está obrigado a aceitar os noves anos, quatro meses e nove dias”.

Quer isto dizer que, sem a norma apresentada pelo PCP, mas também de outras do BE e do CDS, que visavam o tempo a ser reconhecido e o modo de o pagar, o Executivo está agora apenas obrigado a negociações genéricas indicadas nos primeiros pontos das propostas de alteração aprovadas e apresentadas pelo PSD, CDS e PCP.

No momento da votação o alerta de que a proposta poderia apenas obrigar o Governo a negociar partiu da deputada do Bloco de Esquerda, Joana Mortágua, que pediu “atenção à proposta do PSD, que apenas repete a proposta do ano passado, a mesma que deixou os professores à espera, a mesma que empurrou os sindicatos para um monólogo”.

Quanto ao veto presidencial, Marcelo Rebelo de Sousa já avisou que “não se pronunciará sobre qualquer diploma que chegue antes de se pronunciar sobre o Orçamento do Estado” para 2019.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Professores em risco de não verem progressão nas carreiras em 2019

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião