Arroios e Paranhos são as zonas de Lisboa e Porto com mais alojamento para estudantes

  • Lusa
  • 19 Dezembro 2018

A zona com mais oferta para os estudantes em Lisboa, Arroios, apresenta uma renda média de 380 euros. Já no Porto, Paranhos regista uma renda média de 308 euros.

As zonas de Arroios e de Entrecampos, na cidade de Lisboa, e as de Paranhos e Cedofeita, no Porto, são os locais com mais opções de alojamento para estudantes, segundo dados da plataforma ‘online’ de alojamento Uniplaces divulgados esta quarta-feira.

De acordo com a informação referente a 2018, enviada à Lusa, Arroios, que apresenta uma renda média de 380 euros, é a zona da cidade de Lisboa com mais opções para os estudantes, apresentando um total de 522 ofertas disponíveis.

A segunda zona da capital com mais opções de arrendamento para universitários é a de Entrecampos, disponibilizando 287 ofertas, com uma renda média de 413 euros.

Ainda em Lisboa, as zonas de Alvalade, Benfica e Picoas são outros dos locais mais procurados pelos estudantes universitários, apresentando em conjunto 650 ofertas, com um preço médio de arrendamento entre os 373 e os 435 euros.

Por outro lado, a zona histórica do Castelo é a parte da cidade com um número mais reduzido de opções de arrendamento para estudantes, sendo dinamizada, sobretudo, pelo aluguer a curto prazo.

Já na cidade do Porto os dados referem que é na zona de Paranhos que os estudantes podem encontrar mais quartos ou casa para arrendar, estando 442 ofertas disponíveis, com uma renda média de 308 euros. Segue-se a zona de Cedofeita, que tem registo na plataforma de 225 ofertas e uma renda média mensal de 314 euros.

Bonfim, Santo Ildefonso e Campanhã são as restantes zonas da cidade do Porto com maior oferta, apresentando em conjunto 468 ofertas e uma renda média que varia entre os 297 e os 346 euros. Já Nevogilde é a freguesia do Porto com menos oferta disponível.

A Uniplaces ressalva que tanto em Lisboa como no Porto se registou um aumento no preço das rendas face a 2017.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Arroios e Paranhos são as zonas de Lisboa e Porto com mais alojamento para estudantes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião