Com extensão do Artigo 50.º britânicos têm direito a eleger eurodeputados em maio

  • ECO
  • 14 Janeiro 2019

É preciso saber se o Reino Unido ainda é ou não um Estado-membro da União Europeia e, se for, ainda vai poder eleger eurodeputados britânicos.

A concretização do Brexit não está fácil. A poucos meses da saída do Reino Unido da União Europeia (UE), os próximos passos a dar no processo estão a suscitar novas dúvidas, sobretudo quando a rejeição do documento se apresenta, cada vez mais, como uma forte hipótese, avança o Diário de Notícias (acesso condicionado).

As eleições para o Parlamento Europeu, já em maio, são um dos assuntos em causa. É preciso saber se o Reino Unido ainda é ou não um Estado-membro da União Europeia e, se for, ainda vai poder eleger eurodeputados britânicos.

A instabilidade interna no Reino Unido, onde a primeira-ministra Theresa May está a ter dificuldade em fazer aprovar no Parlamento britânico o acordo alcançado com os responsáveis europeus, torna improvável que o país consiga cumprir o prazo para a realização do Brexit, que está marcado para o próximo dia 29 de março.

Perante este cenário, a União Europeia está disposta a prolongar o prazo estabelecido, pelo menos até julho. Há, aliás, quem veja a extensão do prazo como a “única saída” para o Reino Unido.

Contudo, a chamada extensão do Artigo 50.º suscita outras dúvidas, nomeadamente no que toca às eleições europeias. Pedro Silva Pereira, o eurodeputado português autor do relatório sobre a nova arquitetura do Parlamento Europeu, explica que, caso o Reino Unido peça a extensão do prazo para a saída da UE, será obrigado, ainda, a realizar as eleições europeias.

Enquanto o Reino Unido for membro da União Europeia, “os cidadãos britânicos têm direito a votar, portanto, isso significa que haverá eleições europeias” em maio, tal como nos restantes Estados-membros, diz Pedro Silva Pereira.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Com extensão do Artigo 50.º britânicos têm direito a eleger eurodeputados em maio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião