Portugal vai voltar a ter voo direto para a China

“Esperamos que esta rota venha a materializar-se muito em breve, creio eu em fevereiro ou março”, disse Miguel Frasquilho.

Portugal vai voltar a ter um voo direto para a China, depois de a companhia aérea chinesa Beijing Capital Airlines, que operava esta rota, ter decidido suspendê-la no final do ano passado. O anúncio foi feito, esta terça-feira, por Miguel Frasquilho, presidente do conselho de administração da TAP.

Numa conferência que decorreu esta tarde, em Lisboa, Frasquilho detalhou que a ligação passará a ser feita de Lisboa para Xian, chegando depois a Pequim. “Esperamos que esta rota venha a materializar-se muito em breve, creio eu em fevereiro ou março”, indicou.

O voo direto de Lisboa para a China, com paragem em Hangzhou, arrancou em julho de 2017, mas foi suspenso em dezembro do ano passado. Na altura, a Beijing Capital Airlines não deu qualquer justificação para a suspensão da rota, indicando apenas “razões operacionais”.

No final do primeiro ano de operação, a Capital Airlines transportou cerca de 80 mil passageiros entre Portugal e a China, com uma taxa de ocupação média de 80%, que chegou a ultrapassar os 95% na época alta. A companhia aérea chinesa enfrenta, contudo, uma crise de liquidez, tendo uma dívida de cerca de 77 mil milhões de euros.

A nova rota continuará a ser operada pela Beijing Capital Airlines, com a TAP em code sharing. O que foi transmitido à companhia aérea portuguesa, esclarece Miguel Frasquilho, é que, “na sua configuração anterior, o voo não seria rentável, portanto, iria ser substituído por parte de quem o promove”. E acrescenta: “Somos parceiros passivos, não temos responsabilidade, mas é importante manter-se uma porta aberta para ligar o Extremo Oriente a Portugal”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal vai voltar a ter voo direto para a China

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião