Portugal vai voltar a ter voo direto para a China

“Esperamos que esta rota venha a materializar-se muito em breve, creio eu em fevereiro ou março”, disse Miguel Frasquilho.

Portugal vai voltar a ter um voo direto para a China, depois de a companhia aérea chinesa Beijing Capital Airlines, que operava esta rota, ter decidido suspendê-la no final do ano passado. O anúncio foi feito, esta terça-feira, por Miguel Frasquilho, presidente do conselho de administração da TAP.

Numa conferência que decorreu esta tarde, em Lisboa, Frasquilho detalhou que a ligação passará a ser feita de Lisboa para Xian, chegando depois a Pequim. “Esperamos que esta rota venha a materializar-se muito em breve, creio eu em fevereiro ou março”, indicou.

O voo direto de Lisboa para a China, com paragem em Hangzhou, arrancou em julho de 2017, mas foi suspenso em dezembro do ano passado. Na altura, a Beijing Capital Airlines não deu qualquer justificação para a suspensão da rota, indicando apenas “razões operacionais”.

No final do primeiro ano de operação, a Capital Airlines transportou cerca de 80 mil passageiros entre Portugal e a China, com uma taxa de ocupação média de 80%, que chegou a ultrapassar os 95% na época alta. A companhia aérea chinesa enfrenta, contudo, uma crise de liquidez, tendo uma dívida de cerca de 77 mil milhões de euros.

A nova rota continuará a ser operada pela Beijing Capital Airlines, com a TAP em code sharing. O que foi transmitido à companhia aérea portuguesa, esclarece Miguel Frasquilho, é que, “na sua configuração anterior, o voo não seria rentável, portanto, iria ser substituído por parte de quem o promove”. E acrescenta: “Somos parceiros passivos, não temos responsabilidade, mas é importante manter-se uma porta aberta para ligar o Extremo Oriente a Portugal”.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal vai voltar a ter voo direto para a China

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião