Portugal “nos primeiros lugares” na execução de fundos comunitários

  • Lusa
  • 19 Janeiro 2019

"As verbas comunitárias não estão perdidas. Antes pelo contrário. Portugal está nos primeiros lugares da melhor execução dos fundos comunitários", diz o ministro da Agricultura.

O ministro da Agricultura, Capoulas Santos, diz que Portugal está “nos primeiros lugares” na execução dos fundos comunitários e mostrou-se “muito perplexo” com críticas da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP).

O presidente da CAP, Eduardo Oliveira e Sousa, alertou que Portugal pode ter de devolver dinheiro à União Europeia por falta de execução das ajudas a projetos agrícolas.

Segundo o dirigente, “há um programa específico, o Programa de Desenvolvimento Rural (PDR) que tem uma carga administrativa muito grande e está a provocar atrasos no pagamento dessas ajudas aos agricultores, nomeadamente na instalação dos jovens, o pagamento às ajudas aos investimentos, os projetos como lhe chamam”.

O ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural disse aos jornalistas, à margem de uma visita à Adega Cooperativa de Figueira de Castelo Rodrigo, no distrito da Guarda, onde acompanhou o primeiro-ministro, que “Portugal perdeu 20 milhões de euros, mas foi no final do mandato do Governo anterior”.

“Neste momento, as verbas comunitárias não estão perdidas. Antes pelo contrário. Portugal está nos primeiros lugares da melhor execução dos fundos comunitários. Já temos cerca de 51% de execução, 29 mil projetos aprovados e este programa só acaba daqui por cinco anos”, disse.

Capoulas Santos mostrou-se “muito perplexo” por verificar que a CAP, “quando o Governo anterior perdeu milhões [de euros] por não utilizar, ficou silenciosa e, agora, quando o Governo está com uma boa performance, e para um programa que só acaba daqui por cinco anos, já está preocupada com a eventualidade” de o país poder perder fundos comunitários.

O ministro da Agricultura assegurou que “isso não acontecerá” e lembrou que, como ministro, já encerrou um quadro comunitário que “não perdeu um cêntimo para Bruxelas”.

Sobre a posição da CAP, disse que não interpreta as declarações do seu dirigente “fora do contexto político que se avizinha”.

O presidente da CAP negou que haja uma “guerra aberta” com o Ministério da Agricultura face aos projetos do PDR.

“Há muitos projetos pendentes [no PDR 2020]. Ontem, vinha uma notícia a dizer que há uma guerra aberta entre o Ministério da Agricultura e a CAP. É totalmente falso, não há guerra aberta nenhuma. Há aqui uma forma diferente de olhar para os números e os números são aquilo que são”, explicou Eduardo Oliveira e Sousa, em Castelo Branco, onde se deslocou para reunir com agricultores e associações do setor.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal “nos primeiros lugares” na execução de fundos comunitários

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião