Custas judiciais vão variar em função dos rendimentos

  • ECO
  • 18 Janeiro 2019

Francisca Van Dunem admite que a "justiça é cara". Daí que está a ser ultimado um projeto que prevê que as custas judiciais variem em função do rendimento.

Vêm aí novidades na Justiça. As custas judiciais vão sofrer alterações, estando a ser ultimado um projeto que prevê que as custas judiciais variem em função do rendimento de cada pessoa. A novidade foi avançada por Francisca Van Dunem, em entrevista ao Expresso (acesso pago).

Admitindo que “as custas judiciais são o preço da Justiça e a Justiça é efetivamente cara”, a ministra da Justiça revela que quer acabar com a política de custos fixos. Quer avançar com escalões, procurando tornar os processos menos onerosos para os portugueses.

“O trabalho que fizemos em matéria de acesso ao Direito foi escalonar, criar escalões que associam o rendimento das pessoas ao valor das causas, e isso já facilita”, revela Van Dunem, numa entrevista que será publicada na íntegra no semanário.

“A pessoa pode não ter isenção completa, mas pode ter uma percentagem de isenção que torne compatível o rendimento com a necessidade de interpor aquela ação”, explica Van Dunem.

Além destas custas variáveis em função dos rendimentos, a ministra da Justiça revela também que existe outra medida a aplicar, neste caso para os advogados. “Atualmente, havendo uma resolução amigável não havia remuneração, e passará a haver. O advogado que faça consulta a um cliente que depois resolva a situação por acordo passa a ser remunerado por isso”, revela.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Custas judiciais vão variar em função dos rendimentos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião