CGD duplica prazo dos créditos da casa com taxa fixa. Chega aos 30 anos

  • ECO
  • 21 Janeiro 2019

A banca tem vindo a apostar nos empréstimos de taxa fixa, procurando afastar-se dos juros negativos das Euribor. A CGD tem, agora, prazos que chegam a 30 anos.

O crédito para a compra de casa está a aumentar, mas as Euribor continuam em terreno negativo. Daí que a banca esteja a apostar cada vez mais na concessão de empréstimos à habitação com taxas fixas. Quase todos os bancos têm estas taxas, estando os prazos oferecidos a aumentar de forma expressiva. A CGD acabou de duplicá-lo de 15 para até 30 anos.

De acordo com o Jornal de Negócios (acesso pago), o banco liderado por Paulo Macedo foi o último banco a alterar a sua oferta na modalidade de taxa fixa do crédito à habitação. Se até agora as maturidades oferecidas eram de cinco, sete, dez e 15 anos, agora a oferta é complementada com novas maturidades de 20, 25 e 30 anos.

“Com esta solução, a Caixa Geral de Depósitos aposta no reforço da sua liderança no crédito à habitação, disponibilizando ao mercado uma gama completa de soluções de taxas de juro abrangentes e competitiva, variáveis, fixas e mistas”, refere fonte oficial do banco ao diário de economia.

O banco público junta-se, assim, ao BPI, mas também ao Bankinter, na oferta de financiamentos a taxa fixa com prazos muito longos, permitindo a muitos clientes verem o valor das prestações igual durante todo o prazo de reembolso do empréstimo contraído para a compra de habitação própria.

A taxa é mais elevada do que a das Euribor, mas nunca irá mudar. No caso destas taxas fixas, existe uma referência de mercado, mas não há regras. Ou seja, ao contrário do que acontece com as Euribor, em que a taxa resulta da média diária registada no mês anterior à contratação, no caso das taxas fixas são os bancos que as definem administrativamente. Em caso de reembolso antecipado, há uma penalização de 2% do montante em dívida, contra 0,5% nos créditos de taxa variável.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CGD duplica prazo dos créditos da casa com taxa fixa. Chega aos 30 anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião