PGR diz que investigação à CGD continua. Ainda não tem arguidos

O processo aberto pela Procuradoria-Geral da República em 2016 à Caixa Geral de Depósitos continua a decorrer e ainda não tem arguidos, confirmou o ECO.

O inquérito aberto pela Procuradoria-Geral da República (PGR) à Caixa Geral de Depósitos (CGD) continua a decorrer, não havendo ainda arguidos constituídos, confirmou o ECO.

Um dia depois de Joana Amaral Dias ter tornado pública, em direto na CMTV, uma versão preliminar do relatório da EY sobre os atos públicos da CGD entre 200 e 2015, o ECO questionou a PGR sobre o estado do processo relativo à auditoria da CGD, aberto em setembro de 2016.

Nisto, a entidade respondeu que “o inquérito onde se investigam factos relacionados com a Caixa Geral de Depósitos encontra-se em investigação, estando em curso diligências abrangidas por segredo de justiça” e que “não tem arguidos constituídos”. Esta informação tinha já sido adiantada pelo Correio da Manhã no início do mês.

O relatório revelou que a CGD perdeu 1.200 milhões de euros em créditos de risco, 555 milhões de euros só num negócio com o BCP e que, entre 2007 e 2012, 7% das operações de crédito analisadas pela auditora foram aprovadas apesar dos pareceres desfavoráveis da Direção Global de Risco, sem que existam justificações para essa decisão.

Esta auditoria independente foi pedida em 2016 pelo Ministério das Finanças, tendo este confirmado, numa nota enviada esta terça-feira, que “deu instruções à CGD para que relatório fosse remetido ao Banco de Portugal e ao Mecanismo Único de Supervisão do Banco Central Europeu, bem como a outras autoridades judiciais, de inspeção, de supervisão ou em matéria tributária, caso os elementos do relatório se afigurassem relevantes para o exercício das suas atribuições”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PGR diz que investigação à CGD continua. Ainda não tem arguidos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião