PPR estão na moda. Captaram 10 milhões de euros por dia em 2018

Os portugueses aplicaram 3,5 mil milhões de euros em seguros PPR no ano passado. Trata-se de um aumento de 55% face ao registado em 2017.

Os portugueses estão a apostar em força em Planos Poupança Reforma (PPR). Em 2018, as aplicações em PPR sob a forma de seguros cresceram acima de 50%, para 3,5 mil milhões de euros, mostram dados do regulador do setor. Tal significa que os portugueses colocaram, em média, perto de dez milhões de euros neste produto de poupança para a reforma por cada dia que passou.

A Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF) revelou esta terça-feira que a produção de seguros PPR ascendeu a 3.478,6 milhões de euros no ano passado. Apesar de ainda provisório, este montante corresponde a um aumento de 55% quando comparado com as contribuições para este produto registadas no ano anterior. Em 2017, a produção de seguros PPR rondou os 2.230 milhões de euros.

No ano passado registou-se assim uma aceleração face ao crescimento de 30% que já tinha sido verificado no ano anterior. Aliás, desde pelo menos o início desta década que a produção de seguros PPR não apresentava um valor tão elevado.

Evolução da produção de seguros PPR

Fonte: APS | Os dados da produção de seguros PPR são provisórios

“A evolução destes produtos vocacionados para a poupança de médio e longo prazo parecem confirmar a confiança que os portugueses depositam no setor segurador e de fundos de pensões para gerir as suas poupanças“, refere a ASF numa nota relativamente aos montantes que entraram para os seguros PPR em 2018.

Os recentes aumentos registados em termos dos volumes de investimento em PPR acontecem num período marcado pela reduzida remuneração oferecida pelos produtos de poupança mais conservadores. Em específico, os depósitos a prazo.

Aquele que tradicionalmente sempre foi o produto de poupança preferido dos aforradores nacionais apresenta, atualmente, níveis de remuneração mínimos. Segundo os últimos dados do Banco de Portugal, em novembro, a taxa de juro média das novas aplicações em depósitos a prazo foi de 0,15%. A mais baixa de sempre tendo em conta um histórico que remonta ao início de 2003.

A evolução destes produtos vocacionados para a poupança de médio e longo prazo parecem confirmar a confiança que os portugueses depositam no setor segurador e de fundos de pensões para gerir as suas poupanças.

ASF

Ainda não estão disponíveis os dados da remuneração dos seguros PPR relativos a 2018. Os últimos dados conhecidos são relativos a 2017 sendo que, nesse ano, a taxa de rentabilidade média dos seguros PPR foi de 1,52% (considerando os 47 PPR sob a forma de seguro disponíveis para subscrição), segundo os dados da ASF.

Os PPR beneficiam ainda de um tratamento fiscal favorável para os aforradores. Permitem a dedução no IRS de 20% do valor investido, sendo que no momento do resgate, em vez do imposto de 28% aplicado a outros produtos de poupança, beneficiam de uma taxa reduzida de 21,5%, se mantiver o investimento até cinco anos. Se o prazo de investimento for de cinco ou mais anos, a taxa baixa para 8%.

Um em cada quatro euros que entra nas seguradoras ruma a PPR

Se os seguros PPR parecem constituir-se como um refúgio para a poupança das famílias, também ganha relevância para as seguradoras. Os dados da ASF permitem constatar que, por cada quatro euros da produção de seguros, um teve como destino PPR.

Os 3.478,6 milhões de euros colocados em seguros PPR no ano passado representam 26,9% face aos 12.941 milhões de euros a que ascendeu a produção total das seguradoras. Dentro do ramo Vida, a respetiva relevância ainda é maior. Pesaram 42,9% face aos 8.114,1 milhões de euros da produção do ramo Vida.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PPR estão na moda. Captaram 10 milhões de euros por dia em 2018

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião