Banco de Portugal admite rever idoneidade de gestores da Caixa

  • ECO
  • 31 Janeiro 2019

A abertura de processos de contraordenação estará excluída, uma vez que alguns dos factos ocorridos já estarão prescritos. O regulador vai concentrar-se nos processos de avaliação de idoneidade.

O Banco de Portugal está a analisar a auditoria da EY à gestão feita na Caixa Geral de Depósitos (CGD) entre 2000 e 2015, para avaliar se irá rever a idoneidade de antigos gestores do banco público que ainda estejam em funções em instituições financeiras. A notícia é avançada, esta quinta-feira, pelo Correio da Manhã, que cita fontes do setor.

O mesmo jornal refere que deverá estar excluída a abertura de processos de contraordenação por parte do supervisor, uma vez que alguns dos factos ocorridos durante o período em análise já estarão prescritos. O regulador concentra-se, por isso, nos processos de avaliação de idoneidade.

Dois antigos gestores que integraram a administração da Caixa durante este período já foram impedidos pelo Banco de Portugal de ocuparem cargos em órgãos sociais de instituições financeiras: Norberto Rosa e Pedro Cardoso. Há outros casos em que o regulador está a analisar a possibilidade de avançar com processos de averiguação da idoneidade de ex-gestores da CGD ainda no ativo. A instituição liderada por Carlos Costa não faz, contudo, quaisquer comentários sobre este assunto, não revelando quais os nomes que poderão vir a ser alvo de processo.

O Banco de Portugal, acrescenta o Correio da Manhã, deverá ter em conta o princípio da proporcionalidade, ou seja, com base nas conclusões da auditoria, verificará a responsabilidade de cada ex-gestor no processo de tomada de decisão e os pelouros que eram da sua responsabilidade.

Há 17 antigos gestores da Caixa que ainda estão em funções no setor financeiro, alguns dos quais mantêm-se mesmo na CGD.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banco de Portugal admite rever idoneidade de gestores da Caixa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião