“Rendas excessivas da energia estão intimamente ligadas a compadrio entre o Estado e os privados”

Álvaro Santos Pereira acusa o Estado de ações de "compadrio" com interesses privados, que levaram Portugal à situação de bancarrota em que se encontrava em 2011.

As rendas excessivas pagas aos produtores de eletricidade estão “intimamente ligadas a ações de compadrio entre o Estado e os interesses privados”. E terá sido este “compadrio” que, em parte, levou Portugal à situação de bancarrota em que se encontrava em 2011, quando foi intervencionado pela troika. A ideia foi defendida, esta quinta-feira, por Álvaro Santos Pereira, antigo ministro da Economia do Governo de Pedro Passos Coelho, que está a ser ouvido na comissão parlamentar de inquérito ao pagamento de rendas excessivas aos produtores de eletricidade.

“Para que não haja dúvidas: claro que houve rendas excessivas no setor energético. Os estudos técnicos mostram isso. Estas rendas excessivas rondam quase quatro mil milhões de euros entre 2007 e 2020. Quem afirma que não existem, certamente que não presta atenção à fatura da eletricidade”, começou por dizer o ex-governante, logo na intervenção inicial.

E continuou: “É claro que os produtores elétricos foram beneficiados por estas regras durante anos. Foi por isso que reagiram de forma tão intempestiva às nossas iniciativas. É também bem claro que, antes de nós, ninguém tinha tido a coragem de enfrentar os lobbies da energia. Ninguém tinha cortado um só cêntimo nas rendas da energia e, graças à nossa ação, cortaram-se mais de 3,5 mil milhões de euros nas rendas da energia”.

Foi neste contexto que concluiu: “Claro que as rendas excessivas no setor da energia estão, no mínimo, intimamente ligadas a ações de compadrio entre o Estado e os interesses privados. Há ligações perigosas entre o Estado e os interesses privados. Uns beneficiaram de lucros milionários, enquanto a fatura era paga pelas famílias”.

Claro que as rendas excessivas no setor da energia estão, no mínimo, intimamente ligadas a ações de compadrio entre o Estado e os interesses privados.

Álvaro Santos Pereira

Antigo ministro da Economia

Contudo, questionado mais tarde pelo deputado Helder Amaral, do CDS-PP, sobre que ações de compadrio foram estas, Álvaro Santos Pereira não quis especificar. “Há bastante evidência de que, se Portugal chegou onde chegou, a uma situação de pré-bancarrota, ou mesmo de bancarrota, foi não só por termos levado a cabo políticas irresponsáveis, mas, também, porque houve práticas de corrupção e de compadrio entre os privados e o Estado“, disse apenas.

Mesmo perante a insistência do deputado relativamente a que práticas em concreto se referia, o antigo ministro deixou o assunto em aberto. “Em Portugal, há tantos casos na Justiça. Começam, finalmente, algumas pessoas a ser responsabilizadas, acabando com a impunidade que tem sido vigente neste país. Quem questiona que o nosso país, infelizmente, tem sido vítima de corrupção, está a questionar o inquestionável. É uma questão de perceção e é uma questão de realidade. É mais do que evidente que isso aconteceu”, afirmou.

Numa segunda ronda de perguntas, os deputados voltaram à questão do “compadrio” levantada por Álvaro Santos Pereira. O antigo ministro voltou a rejeitar identificar casos concretos, mas adiantou que o seu Governo “passou informação” à Justiça sobre esta matéria.

“Este tipo de coisas deve ser feito na Justiça. Se conheço algum caso, se sei de algum caso, eu denuncio. Não vou fazê-lo no Parlamento. Nesta e noutras áreas, passámos esta informação“, concluiu sobre este assunto.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Rendas excessivas da energia estão intimamente ligadas a compadrio entre o Estado e os privados”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião