Diogo da Silveira sai da Navigator em abril

O presidente executivo da papeleira não manifestou vontade de ser reeleito para um novo mandato. As suas funções na empresa cessam a 9 de abril, dia em que serão escolhidos os órgãos sociais.

Diogo da Silveira vai deixar o cargo de presidente executivo da Navigator. A papeleira informou o mercado que este manifestou vontade de não ser reeleito para um novo mandato, estando a sua saída agendada para 9 de abril, data em que se realiza a assembleia de acionistas para a eleição dos órgãos sociais. Até à eleição de um novo CEO caberá a João Castello Branco, chairman da Navigator, a ocupar o cargo.

“A The Navigator Company informa que o senhor eng. Diogo da Silveira, administrador e presidente da comissão executiva desta sociedade, manifestou vontade de não ser eleito para o novo mandato do conselho de administração, que se inicia este ano”, começa por dizer a empresa em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) nesta quarta-feira.

A saída de Diogo da Silveira acontece cinco anos depois de ter ocupado o cargo de CEO da papeleira, com este a considerar que “concluiu agora com êxito o mandato que lhe havia sido definido em 2014 no sentido do rejuvenescimento e diversificação da Navigator”, dá nota ainda o comunicado.

O dia 9 de abril é a data em que Diogo da Silveira deixará as suas funções na liderança da Navigator, dia em que se realiza a assembleia geral de acionistas para a eleição dos órgãos sociais da Navigator. Entre essa data e a da escolha de um novo presidente para a papeleira, caberá a João Castello Branco, chairman da Navigator, ocupar o cargo.

A Navigator realça os resultados obtidos pela empresa durante a passagem de Diogo da Silveira pela sua liderança, realçando nesse âmbito “o processo de diversificação da sua atividade e para a transformação e modernização da Navigator a nível do seu quadro de colaboradores, imagem e métodos de gestão”.

A saída de Diogo da Silveira da liderança dos destinos da Navigator é conhecida no mesmo dia em que a papeleira divulgou o balanço das suas contas de 2018. A empresa fechou o ano com lucros de 225 milhões de euros, um crescimento de 8% face ao ano anterior, com esta a anunciar que a subida dos preços ajudou a compensar os efeitos das paragens de produção.

(Notícia atualizada às 8h08 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Diogo da Silveira sai da Navigator em abril

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião