Notas melhoram mas maioria das escolas tem negativa nos exames do 9.º ano

  • Lusa
  • 16 Fevereiro 2019

A média das notas nos exames de Português e de Matemática melhorou ligeiramente no ano passado, passando de negativa para positiva. Mas a maioria dos estabelecimentos continua a ter média negativa.

As notas nos exames nacionais do 9.º ano melhoraram em 2018 e as escolas públicas subiram na lista das melhores classificadas, surgindo a primeira em 20.º lugar, mas a maioria dos estabelecimentos continua a ter média negativa.

A média das notas nos exames de Português e de Matemática melhorou ligeiramente no ano passado, passando de negativa para positiva: em 2017, a média dos dois exames foi de 2,61 (numa escala de zero a cinco) e, em 2018, foi de três valores, segundo uma análise feita pela Agência Lusa aos dados disponibilizados pelo Ministério da Educação.

Esta melhoria deveu-se ao desempenho dos alunos na prova de Português, cuja média subiu de 3,04 valores para 3,39, já que a Matemática as notas baixaram ligeiramente (a média desceu de 2,87 para 2,61).

No entanto, mais de metade das escolas ainda teve média negativa nos exames nacionais, segundo uma avaliação às notas das quase 190 mil provas realizadas no ano passado pelos alunos do 9.º ano.

Num universo de 1.256 escolas, 714 estabelecimentos de ensino (56%) ficaram abaixo dos três valores e 542 escolas (43%) obtiveram média positiva.

Comparando com o ano anterior, aumentaram as escolas com média positiva, passando de 40% para 43% do universo de estabelecimentos de ensino.

Os colégios voltam a aparecer no topo da lista com melhores resultados, com a primeira pública a surgir em 20.º lugar: a Escola Básica dos 1.º, 2.º e 3.º Ciclos com Pré-Escolar do Porto da Cruz, na Madeira.

Com melhor resultado surge o Colégio Nossa Senhora do Rosário, no Porto, onde a média dos 290 exames foi de 4,52 valores, seguindo-se a Academia de Música de Santa Cecília, em Lisboa, e o Colégio EFANOR, no Porto.

Dois colégios do distrito de Braga ocupam o 4.º e 5.º lugares: D. Diogo de Sousa e Nossa Senhora da Conceição.

A primeira escola pública surge em 20.º, o que representa uma subida de dez lugares em relação ao ano passado, quando a primeira pública – a Escola Secundária Infanta D. Maria, em Coimbra – surgiu em 31.º lugar.

No passado ano letivo, a pública mais bem classificada situou-se na Madeira: a Escola Básica dos 1.º, 2.º e 3.º Ciclos com Pré-Escolar do Porto da Cruz.

Neste estabelecimento, os alunos tiveram melhores prestações nas provas nacionais (média de 4,08 valores) do que na nota atribuída pelos professores pelo trabalho realizado em sala de aula ao longo do ano (média de 3,39 valores).

São raras as escolas em que isto acontece, já que normalmente os alunos têm notas mais baixas nos exames do que a atribuída pelos seus professores pelo desempenho ao longo do ano letivo (nota interna). No universo das 1.256 escolas, em mais de mil (1.037) a maioria das notas internas foi positiva e em apenas 219 a média foi negativa.

Já nos exames nacionais, apenas 542 estabelecimentos de ensino conseguiram uma média positiva, com destaque para os colégios.

Apesar de as escolas públicas terem melhorado em relação ao ano passado, apenas 36% tiveram média positiva nos exames (372 estabelecimentos em 1.036), uma realidade oposta à das escolas privadas: 77% dos colégios obtiveram média positiva (170 em 220).

As dez escolas com melhores notas nos exames nacionais do 9.º

  1. Colégio Nossa Senhora do Rosário — Porto — 4,520689655 (média do exame)
  2. Academia de Música de Santa Cecília — Lisboa — 4,458333333 (média do exame)
  3. Colégio EFANOR — Porto — 4,444444444 (média do exame)
  4. Colégio D. Diogo de Sousa — Braga — 4,38253012 (média do exame)
  5. Colégio Nossa Senhora da Conceição — Braga — 4,37254902 (média do exame)
  6. Colégio dos Plátanos — Lisboa — 4,323741007 (média do exame)
  7. Colégio de Nossa Senhora do Alto — Faro — 4,3 (média do exame)
  8. Colégio Nossa Senhora da Paz –Porto — 4,290909091 (média do exame)
  9. Colégio Grande Colégio Universal — Porto — 4,256578947 (média do exame)

As dez escolas com piores notas nos exames nacionais do 9.º ano:

  1. Externato Escravas Sagrado Coração de Jesus — Porto — 4,236842105 (média do exame)
  2. Escola Básica Alto do Lumiar –Lisboa — 1,968421053 (média do exame)
  3. Escola Básica Patrício Prazeres — Lisboa — 1,96 (média do exame)
  4. Escola Secundária Matias Aires — Lisboa — 1,948275862 (média do exame)
  5. Escola Básica Bairro do Padre Cruz — Lisboa — 1,936363636 (média do exame)
  6. Escola Portuguesa da Beira — Estrangeiro — 1,933333333 (média do exame)
  7. Escola Básica de Paredes — Porto — 1,928571429 (média do exame)
  8. Escola Básica do Miradouro de Alfazina — Setúbal — 1,902439024 (média do exame)
  9. Escola Básica do Vale da Amoreira — Setúbal — 1,897435897 (média do exame)
  10. Escola Básica Integrada de Rabo de Peixe — R. A. Açores — 1,887323944 (média do exame)
  11. Escola Básica de Miragaia — Porto — 1,866666667 (média do exame)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Notas melhoram mas maioria das escolas tem negativa nos exames do 9.º ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião