Sampaio e Constâncio ignoraram alertas sobre risco de créditos de gestor da CGD em 2002

  • ECO
  • 22 Fevereiro 2019

Almerindo Marques, que saiu do banco em desacordo com o presidente António de Sousa, enviou três cartas: às Finanças, ao BdP e ao presidente da CGD, com cópias para a Presidência, escreve o JE.

O antigo administrador da Caixa Geral de Depósitos (CGD), Almerindo Marques, alertou Vítor Constâncio (então governador do Banco de Portugal) do risco dos créditos do banco público, em 2002, segundo noticia esta sexta-feira o Jornal Económico (acesso condicionado). Os avisos chegaram ao Ministério das Finanças (então liderado por Guilherme d’Oliveira Martins) e a Belém (ao então Presidente da República Jorge Sampaio), mas nenhum tomou qualquer medida.

As críticas incidiam na forma como era atribuída a concessão de crédito, que não seria rigorosa no controlo de risco, bem como na existência de operações não ratificadas em conselho de administração. Almerindo Marques, que acabou por sair da CGD em desacordo com o então presidente do banco António de Sousa, enviou três cartas: ao Ministério das Finanças, ao Banco de Portugal e ao então presidente da Caixa. Enviou ainda cópias de todas ao Presidente da República.

“Confirmo que enviei três cartas – ao ministro das Finanças, ao presidente da CGD e ao governador do Banco de Portugal. Na primeira carta, a [Guilherme d’] Oliveira Martins, transmiti as razões para querer sair do banco, pois era responsável por um órgão que não funcionava bem e era uma desorganização completa. Foquei a política de gestão da Caixa em geral e da Caixa BI e alertei, em particular, para a política de crédito, nomeadamente para situações e financiamentos que estavam a ser concedidos irregularmente”, avançou ao JE Almerindo Marques, sobre a carta datada de 22 de janeiro de 2002.

O antigo administrador do banco explicou que lhe foi “recomendado pelo ministro das Finanças [Guilherme d’Oliveira Martins] que escrevesse a António de Sousa e a Vítor Constâncio a apresentar os motivos que considerava críticos na política de gestão e de crédito”.

Constâncio terá então pedido a Almerindo Marques que fosse ao Banco de Portugal porque “tinha de tratar do assunto”, como conta o administrador ao JE. “Vítor Constâncio disse não ter recursos para mandar fazer uma auditoria; que não era oportuno fazê-la ao maior banco do sistema, um banco público; e que não era conveniente uma auditoria com base numa denúncia de um membro do conselho de administração, pois não havia razões para justificar”, acrescentou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sampaio e Constâncio ignoraram alertas sobre risco de créditos de gestor da CGD em 2002

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião