Primeira-ministra britânica diz que adiamento da saída da UE “não resolve o problema”

  • Lusa e ECO
  • 25 Fevereiro 2019

"Está ao nosso alcance sair com um acordo a 29 de março é nisso que todas as minhas energias vão estar concentradas", garantiu a primeira-ministra britânica.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, defendeu esta segunda-feira em Sharm el-Sheikh (Egito) que um adiamento da saída do Reino Unido da União Europeia (UE) “não resolve o problema”. “Um adiamento é um adiamento, não resolve o problema”, afirmou May, em conferência de imprensa, após a cimeira UE-Liga Árabe.

A chefe do Governo britânico vincou que uma prorrogação do artigo 50.º “não oferece uma decisão no parlamento, não oferece um acordo”. “Está ao nosso alcance sair com um acordo a 29 de março é nisso que todas as minhas energias vão estar concentradas“, acrescentou a líder conservadora.

Entretanto, o Reino Unido e os Estados Unidos chegaram a um acordo para a continuação do mercado de produtos financeiros derivados depois do ‘Brexit’, anunciaram esta segunda-feira num comunicado os reguladores dos dois países. A permissão terá efeitos com “qualquer que seja a forma” do ‘Brexit’, incluindo uma separação sem acordo bilateral entre Londres e Bruxelas, sublinham os reguladores.

Costa favorável a adiamento da saída do Reino Unido da UE

Por outro lado, o primeiro-ministro, António Costa, mostrou-se esta segunda-feira favorável a um adiamento da saída do Reino Unido da União Europeia, definindo como “desejável e saudável” tudo aquilo que possa evitar um ‘Brexit’ caótico.

Pronunciando-se sobre as notícias veiculadas no domingo pela imprensa britânica, que davam conta da intenção da primeira-ministra britânica, Theresa May, de pedir à União Europeia uma extensão do Artigo 50 para adiar o ‘Brexit’, o primeiro-ministro português disse encarar aquelas informações de “uma forma positiva”.

“É a visão de que se não é possível resolver em duas semanas, damos a oportunidade para resolver em mais tempo, mas sobretudo não vamos desistir de criar condições para que não haja ‘Brexit’ ou a haver ‘Brexit’ ele se desenvolva de uma forma articulada e planeada e não de forma caótica, como estava à beira de acontecer. Tudo o que se possa fazer para evitar um ‘Brexit’ caótico é desejável e saudável”, defendeu, sem especificar se a sua preferência recairia num adiamento por dois meses ou dois anos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Primeira-ministra britânica diz que adiamento da saída da UE “não resolve o problema”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião