Maior fundo soberano do mundo perdeu 50 mil milhões com a turbulência nas bolsas

O fundo soberano da Noruega, o maior do mundo, foi castigado pela turbulência nas bolsas, no ano passado. A forte aposta em ações ditou uma perda de 50 mil milhões de euros.

O maior fundo soberano do mundo encolheu. O fundo norueguês quase 50 mil milhões de euros no ano passado, sendo fortemente penalizado pela perda de valor dos investimentos feitos em ações. A turbulência que se fez sentido nos mercados acionistas ditou uma quebra acentuada no valor destes ativos de maior risco.

O fundo registou uma rentabilidade negativa de 6,1%, depois de ter apresentado uma valorização de 13,7% em 2017. Perdeu, assim, 485 mil milhões de coroas norueguesas, o equivalente a quase 50 mil milhões de euros, encolhendo a capitalização do maior fundo soberano do mundo para 8,256 biliões de coroas. Ou seja, valia, no final de 2018, 850 mil milhões de euros.

Foram as ações que ditaram o mau desempenho do fundo no ano passado. Com dois terços do valor investido nestes ativos (66,3%), o fundo registou um retorno negativo de 9,5% com as ações, reflexo das fortes quedas registadas nos mercados acionistas durante o ano passado.

Em novembro e dezembro, meses marcados pelas quedas mais expressivas, o fundo que aposta em várias cotadas da bolsa nacional, andou às compras, mas o resultado não foi positivo, gerando perdas que acabaram por anular os ganhos nas restantes classes de ativos em que aposta.

O valor dos investimentos em ações encolheu, assim, para 5,477 biliões, continuando a ser mais do dobro do que o fundo tem aplicado em títulos de divida. De acordo com a informação avançada pelo fundo, 30,7% do total sob gestão estava aplicada em obrigações, tendo esta categoria apresentado um retorno positivo no ano passado. Valorizou 0,6%.

Parte do fundo está também aplicada em ativos imobiliários, embora seja uma fatia reduzida: 3%. Apesar de ser a classe em que o fundo soberano menos aposta, foi aquela que gerou a maior rentabilidade. Num contexto de valorização do imobiliário na Europa, o fundo registou uma rentabilidade positiva de 7,5%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Maior fundo soberano do mundo perdeu 50 mil milhões com a turbulência nas bolsas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião