Irlanda pede a empresários que intensifiquem planos para Brexit sem acordo

  • Lusa
  • 6 Março 2019

Saída do Reino Unido da União Europeia está agendada para 29 de março. Vice-primeiro-ministro da Irlanda apela à implementação de planos para um Brexit sem acordo, mas confia numa saída "ordenada".

O vice-primeiro-ministro da Irlanda, Simon Coveney, instou os empresários e agências estatais a intensificarem os planos para enfrentar um “Brexit” sem acordo, mas disse confiar numa saída “ordenada” do Reino Unido da União Europeia.

“Não devemos tirar o pé do acelerador”, disse o dirigente democrata-cristão, em declarações aos jornalistas, em Dublin, coincidindo com o início de uma nova ronda de contactos entre Londres e Bruxelas para desbloquear o impasse sobre o acordo de separação, marcada oficialmente para 29 de março.

Simon Coveney indicou que está “tudo pendente” deste diálogo, com o qual o Governo britânico quer melhorar o acordo sobre o “Brexit” para que seja ratificado em votação na câmara baixa do parlamento na próxima semana.

O parlamento rejeitou, em janeiro, o acordo de saída que a primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, assinou com a União Europeia em novembro, devido, sobretudo, à inclusão de uma salvaguarda (“backstop”) para manter aberta a fronteira entre as Irlandas.

“O pior cenário possível é um Brexit brutal, mas faremos tudo o que pudermos para apoiar a cidadania irlandesa e a economia. Ninguém deve ser complacente. Pode ser que essa votação ratifique o acordo, mas é só especulação”, apontou Coveney.

Entre as medidas adotadas por Dublin, o vice-primeiro-ministro e também titular dos Negócios Estrangeiros destacou a contratação de 400 novos funcionários aduaneiros e o reforço dos planos em setores chave como o agroalimentar e os transportes.

“Venho dizendo há meses que creio que há uma maioria em Westminster que quer evitar uma saída sem acordo, pois toda a gente sairia a perder. Surpreender-me-ia se votassem a favor do não acordo”, disse Coveney.

O líder irlandês recordou que Bruxelas está disposta a oferecer “clarificações” sobre a salvaguarda fronteiriça, mas advertiu que o conteúdo do acordo e o funcionamento do mecanismo de segurança não pode ser renegociado.

O “backstop” prevê que o Reino Unido permaneça na união aduaneira e que a Irlanda do Norte também esteja alinhada com certas normas do mercado único até que se estabeleça uma relação comercial entre as duas partes, um processo que poderá durar anos.

Sobre esta questão, Coveney insistiu que a União Europeia quer garantir a Londres que o Reino Unido não ficará “preso” na salvaguarda fronteiriça indefinidamente e que a cláusula de segurança não será permanente.

A saída do Reino Unido da União Europeia, agendada para 29 de março, está num impasse desde que o parlamento britânico chumbou o acordo de saída do Reino Unido do bloco comunitário, firmado por Bruxelas e Londres em novembro, e mandatou a primeira-ministra Theresa May para renegociar o mecanismo de salvaguarda da fronteira irlandesa, inscrito naquele texto.

O acordo do Brexit inclui um mecanismo de salvaguarda, comummente conhecido como “backstop”, que pretende evitar o regresso de uma fronteira física entre a República da Irlanda, Estado-membro da UE, e a província britânica da Irlanda do Norte, e que consiste na criação de “um território aduaneiro único” entre a UE e o Reino Unido.

Este mecanismo só seria ativado caso a parceria futura entre Bruxelas e Londres não ficasse fechada antes do final do período de transição, que termina em 31 de dezembro de 2020 e que poderá ser prolongado uma única vez por uma duração limitada.

O “backstop” é contestado pelos parlamentares britânicos que temem que este mecanismo deixe o país indefinidamente numa união aduaneira, e que reclamam que Londres possa “abandonar” unilateralmente esta solução.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Irlanda pede a empresários que intensifiquem planos para Brexit sem acordo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião