Shoppings vão passar a ter carregadores para carros elétricos

  • ECO
  • 6 Março 2019

Medida anunciada por José Mendes dá resposta aos pedidos dos privados que podem, a partir de abril, começar a instalar os postos de carregamento para veículos elétricos.

Se tem um carro elétrico, ou pensa vir a ter, vai passar a ter mais facilidade em carregar a bateria. É que a partir de abril vai passar a ser possível encontrar carregadores em espaços privados de acesso público, como sejam os parques de estacionamento dos centros comerciais.

José Mendes, secretário de Estado Adjunto e da Mobilidade, explica que a partir do próximo mês, as “intenções de investimentos que operadores privados têm manifestado vão poder concretizar-se”. Isto porque, esclarece à TSF, a legislação passa a permitir que estes possam “começar a cobrar a eletricidade do carregamento”.

Com a abertura do mercado a operadores privados, o responsável acredita que poderá “multiplicar exponencialmente a escala e a cobertura da rede de carregamento de acesso público”, sendo a instalação destes apoiada em 50%, até um máximo de 15 mil euros, cada. O teto do apoio é de um valor global 1,5 milhões, através do Fundo Ambiental.

O secretário de Estado Adjunto e da Mobilidade antecipa um forte aumento do número de postos rápidos, procurando acompanhar o forte crescimento das vendas de carros elétricos. Há 61, mas podem nascer mais 100, ou seja, “praticamente triplicar” o total destes postos em que a energia já é paga. Até ao final do ano, diz, também os postos de carregamento normal será cobrada.

Sobre os preços pedidos pelos carregamentos, José Mendes “acredita que, havendo concorrência de vários operadores de pontos de carregamento e de comercializadores de eletricidade para mobilidade elétrica, os preços resultantes, em determinado local e momento, são aqueles que são melhores e mais interessantes para as pessoas”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Shoppings vão passar a ter carregadores para carros elétricos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião