Idai: Portucel disponibiliza cerca de 30 mil euros para províncias de Manica e Zambézia

  • Lusa
  • 22 Março 2019

O novo projeto da Portucel em Moçambique ainda está numa fase inicial. A empresa não quis deixar de ajudar a população depois da passagem do ciclone Idai.

A Portucel Moçambique vai contribuir com dois milhões de meticais (cerca de 29 mil euros) para apoiar populações e comunidades das províncias moçambicanas de Manica e Zambézia, onde a empresa tem investimentos, disse hoje fonte oficial da empresa.

Em resposta a questões enviadas pela Lusa, a empresa afirmou que “decidiu transmitir aos Governos provinciais de Manica e da Zambézia o seu apoio e solidariedade, nesta fase crítica para as populações e comunidades, e contribuir imediatamente com dois milhões de meticais”, na sequência do ciclone Idai.

“A catástrofe natural causada pela passagem do ciclone Idai em Moçambique provocou uma devastação de grande magnitude, com um elevado número de vítimas, tendo gerado milhares de desalojados, perda de alimentos, recursos e prejuízos ainda incalculáveis”, refere ainda.

Apesar de o novo projeto da Portucel em Moçambique estar ainda numa fase inicial, refere: “não poderíamos deixar de reafirmar também por esta via, o nosso compromisso com o benefício e desenvolvimento das populações das províncias onde estamos presentes, que também nos têm apoiado e permitido implementar as nossas iniciativas”.

A empresa não adianta para já números sobre danos ou prejuízos causados pelo ciclone nos seus investimentos naquele país.

O balanço provisório da passagem do ciclone Idai é de 557 mortos, dos quais 242 em Moçambique, 259 no Zimbabué e 56 no Maláui.

O ciclone afetou pelo menos 2,8 milhões de pessoas nos três países africanos e a área submersa em Moçambique é de cerca de 1.300 quilómetros quadrados, segundo estimativas de organizações internacionais.

A cidade da Beira, no centro litoral de Moçambique, foi uma das mais afetadas pelo ciclone, na noite de 14 de março, e a ONU alertou que 400.000 pessoas desalojadas necessitam de ajuda urgente, avaliada em mais de 40 milhões de dólares (mais de 35 milhões de euros).

Mais de uma semana depois da tempestade, milhares de pessoas continuam à espera de socorro em áreas atingidas por ventos superiores a 170 quilómetros por hora, chuvas fortes e cheias, que deixaram um rasto de destruição em cidades, aldeias e campos agrícolas.

As organizações envolvidas nas operações de socorro e assistência humanitária têm alertado para o perigo do surto de doenças contagiosas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Idai: Portucel disponibiliza cerca de 30 mil euros para províncias de Manica e Zambézia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião