Carro por 400 euros? Câmara de Lisboa está a vender frota em hasta pública

De tempos a tempos, é preciso renovar a frota. Por isso, a Câmara Municipal de Lisboa está a vender, em hasta pública, 23 veículos. Há Audis, VWs e Volvos. A maioria são a diesel.

Está à procura de carro? A Câmara Municipal de Lisboa (CML) está a vender mais de duas dezenas de automóveis. Colocou em hasta pública vários lotes com Audis, Volkswagens e Volvos, mas também muitos modelos utilitários, na sua maioria a gasóleo. Há “bombas” já com alguns anos a 2.500 euros, mas quatro centenas de euros chegam para arrebatar o mais barato da frota.

Há, ao todo, 23 veículos em hasta pública, sendo que os primeiros lotes são aqueles que deverão atrair mais atenções já que se tratam de modelos de gama mais elevada. Arrancam com dois Volvo, um S40 e um S60, um a gasóleo e o outro a gasolina, mas que têm ambos um valor base de venda de 2.500 euros. A estes junta-se um Audi A4, a diesel, pelo mesmo valor. No entanto, tem 369.846 quilómetros.

Por um valor ligeiramente inferior estão em hasta pública dois monovolumes, um da Lancia e outro da Toyota, ambos com um valor base de 2.250 euros, a que se terá de somar o IVA. Ou seja, o valor final, assumindo este valor, será de 2.767 euros, de acordo com os cálculos do ECO.

Na lista surgem veículos mais recentes, de 2007 e 2008, à venda por valores entre os 1.750 e os 1.950 euros, mas também há modelos já com mais de duas décadas de uso. Há quatro Citroën Saxo a diesel com valores base de 500 euros, mas também dois Opel Corsa que podem ser arrematados por apenas 400 euros.

No extremo oposto, ou seja, os veículos mais caros em hasta pública não serão para ser utilizados no dia-a-dia. Tratam-se de três carrinhas de trabalho da CML, duas Toyota e uma Mitsubishi, que custam 2.950 euros.

Tanto estes carros de trabalho como os restantes serão vendidos “no estado de uso em que se encontram”, refere o Boletim Municipal da CML. A maioria aparenta estar em bom estado, apesar dos quilómetros já percorridos, mas outros, como um Smart que está em hasta pública, já não.

Os interessados terão de apresentar as suas propostas por correio, “em envelope opaco e fechado, sob registo e com aviso de receção ou entregues por mão própria, pelos proponentes ou seus representantes, contra recibo”.

As propostas deverão dar entrada na Direção Municipal de Higiene Urbana até às 17h00 do dia 29 de abril de 2019.O ato público tem lugar às 10h00, do dia 30 de abril de 2019, na Direção Municipal de Higiene Urbana, sita na Avenida Infante D. Henrique, em Lisboa”, refere o Boletim Municipal.

Veja a lista completa dos automóveis em hasta pública:

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Carro por 400 euros? Câmara de Lisboa está a vender frota em hasta pública

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião