DBRS sobe rating dos depósitos do BCP, CGD, Montepio e Novo Banco

Agência canadiana fez upgrades à notação dos depósitos de longo prazo de quatro bancos portugueses. Em todos os casos, a subida foi de um nível.

A DBRS subiu o rating dos depósitos de longo prazo de quatro bancos portugueses. A melhoria em um nível na avaliação da agência canadiana foi anunciada esta quinta-feira e incide sobre o BCP, o Banco Montepio, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) e o Novo Banco.

“A ação de rating tomada reflete a introdução em Portugal de preferência total dos depositantes em caso de insolvência bancária e procedimentos de resolução”, explicou o relatório da DBRS. “A lei também introduz uma nova classe de dívida, o que se espera que seja referida como dívida sénior não-preferencial. Esta nova classe de dívida irá posicionar-se abaixo das categorias preferenciais de crédito e dívida sénior existente, mas abaixo da dívida subordinada”.

Na base desta decisão está um diploma a que o Parlamento português deu luz verde e que reforça a proteção dos grandes depósitos de empresas, em detrimento da dívida sénior dos bancos. No atual regime, em caso de liquidação ou resolução de um banco, são prioritários os depósitos abrangidos pelo Fundo de Garantia de Depósitos até 100 mil euros e os depósitos de pessoas singulares e microempresas e PME acima dos 100 mil euros.

Apesar de estes se manterem inalterados, também os depósitos das outras empresas (incluindo instituições do Estado) acima dos 100 mil euros vão gozar desta proteção, quando até agora estavam ao lado dos detentores de dívida sénior na escala de credores.

“O objetivo da nova categoria de instrumentos de passivo (sénior não preferencial) é facilitar a implementação de procedimentos de resolução bancária. Na perspetiva da DBRS, a emissão de obrigações sénior preferenciais irá aumentar a capacidade de absorção de perdas e ajudar os bancos portugueses a cumprirem futuramente requisitos de MREL”, sublinhou a agência.

Além dos depósitos de longo prazo dos quatro bancos, a DBRS também subiu o rating dos depósitos de curto prazo do BCP, Banco Montepio e CGD. No caso do Novo Banco não houve alterações nestes instrumentos. O outlook dos depósitos da CGD passam para ‘estável’, de ‘positivo’, enquanto o dos depósitos do Montepio passam para ‘negativo’, de ‘estável’. Todas as outras perspetivas se mantiveram inalteradas. A agência acrescenta ainda que o Santander Totta não é afetado pois o seu rating já incorpora o suporte dado pela casa-mãe.

(Notícia atualizada às 19h10)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

DBRS sobe rating dos depósitos do BCP, CGD, Montepio e Novo Banco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião