Acionistas vão votar fim dos limites de voto na EDP

Proposta foi feita pelo fundo Elliott. Foi incluída nos pontos que vão a votação na assembleia geral da elétrica a 24 de abril.

Proposta de desblindagem dos estatutos da EDP foi feita pelo fundo Elliott. Pedido feito pelo acionista norte-americano, opositor à OPA da China Three Gorges, foi aceite por Rui Medeiros, vice-presidente da mesa da assembleia geral da elétrica, tendo sido incluída nos postos a discutir, e a votar, na reunião magna de 24 de abril.

A 27 de março de 2019, o fundo propôs a inclusão de um ponto da ordem de trabalhos para a assembleia geral, no âmbito do qual os acionistas poderão votar sobre se a EDP deverá eliminar o limite de 25% dos direitos de voto de qualquer acionista.

Essa proposta foi apresentada, tendo sido solicitada a inclusão na reunião já agendada. Agora, em comunicado enviado à CMVM, veio a confirmação de que o pedido feito pelo fundo de Paul Singer foi aceite.

Aprovada a inclusão deste ponto na votação, já se sabe o sentido de voto do Elliott: contra. E recomenda que todos os demais acionistas façam o mesmo, visando o fracasso da oferta apresentada pelo maior acionista da elétrica, a China Three Gorges.

“No caso da EDP, a eliminação do limite máximo constituiria um sinal de apoio a uma aquisição pelo maior acionista sem o pagamento de um prémio adequado”, explicou, à data, o fundo. A OPA foi lançada em maio de 2018, tendo como contrapartida um valor de 3,26 euros por ação. Este preço “subavalia significativamente” a empresa, na perspetiva do Elliott.

Caso os acionistas rejeitem a eliminação do limite máximo de voto, “não estaria verificada uma condição necessária ao lançamento da oferta”, ditando o fracasso da mesma.

Para que esse seja o desfecho, é preciso que uma maioria qualificada de dois terços dos acionistas presentes na Assembleia Geral Anual de 24 de abril vote no mesmo sentido que o fundo norte-americano.

(Notícia atualizada às 21h17 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Acionistas vão votar fim dos limites de voto na EDP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião