Todos perdem numa guerra comercial mas EUA e China perdem mais, avisa o FMI

Numa altura em que EUA e China continuam sem chegar a um acordo que permita diminuir as tensões comerciais, o FMI rebate os argumentos da administração Trump e avisa que todos saíram prejudicados.

Não haverá vencedores na guerra comercial entre os Estados Unidos e a China, mas quem perderá mais serão sempre estes dois países, alertou esta quarta-feira o Fundo Monetário Internacional, que diz que no longo prazo o aumento das taxas alfandegárias vai acabar por prejudicar todos os países.

Num dos primeiros artigos de análise que acompanham a atualização do World Economic Outlook, o FMI decidiu olhar para as consequências para o comércio internacional das tensões que se agravaram desde que Donald Trump chegou ao poder.

A instituição liderada por Christine Lagarde rebate os argumentos usados pela administração norte-americana para o agravamento das taxas sobre as exportações chinesas (e não só), concluindo que mesmo que um país consiga alterar o saldo da sua balança comercial com um determinado país, isso não tem grande significado no saldo global.

O FMI diz que a discussão deve ser feita em torno da balança comercial em termos agregados, e não em saldos de trocas bilaterais, questionando assim a abordagem que tem sido feita pelos Estados Unidos nas questões comerciais com a China e também com a União Europeia.

Na mesma análise, o FMI deixa um aviso claro à administração norte-americana e ao governo chinês: o aumento das taxas teria um impacto significativo no valor acrescentado, emprego e produtividade dos países envolvidos, e ainda em países terceiros.

O Fundo faz mesmo contas e diz que um aumento de 1% no valor das taxas aduaneiras levaria a uma queda das exportações entre os países envolvidos entre os 3% e os 6%.

Como os países estão cada vez mais integrados no comércio internacional, também estão mais expostos ao impacto de mudanças como o aumento das taxas. Mesmo os países que podiam ganhar com a guerra comercial entre as duas maiores economias mundiais — ao substituírem estes mercados –, acabariam por sair prejudicados devido ao impacto das tensões comerciais na confiança e ao agravamento das condições de financiamento.

Para além de usar o desequilíbrio comercial com a China como argumento para aumentar as taxas, Donald Trump tem defendido também que estas medidas têm como objetivo proteger o emprego em setores como a indústria metalúrgica.

O FMI também contesta este argumento, afirmando que, no longo prazo, a diminuição do comércio com a China irá desviar a produção para países como o México e o Canadá que teriam como consequência a perda de muitos empregos em alguns setores da economia norte-americana e chinesa.

Nas contas do FMI, caso os EUA decidissem aplicar uma taxa de 25% sobre as exportações chinesas, tal como Trump já ameaçou fazer, e a China ripostasse na mesma moeda, ambos perderiam, mas as exportações norte-americanas para a China cairiam mais, tanto no primeiro ano como no longo prazo, do que as importações de bens oriundos da China, o resultado contrário do que Trump diz que pretende.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Todos perdem numa guerra comercial mas EUA e China perdem mais, avisa o FMI

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião