Governo apresenta fase II da Indústria 4.0

  • Lusa
  • 9 Abril 2019

Siza Vieira, ministro da Economia, apresenta esta terça-feira em Guimarães a segunda fase da iniciativa para digitalizar as empresas poruguesas.

O ministro da Economia disse esta terça-feira à Lusa que a fase II do programa indústria 4.0 “é um passo importante” e que “Portugal tem que ficar mais digital“, sublinhando que as empresas estão a ter “um percurso extraordinário”.

A sessão de apresentação da fase II do programa Indústria 4.0 (i4.0) decorre esta terça-feira, em Guimarães, e contará com as presenças do primeiro-ministro, António Costa, que irá visitar a Feira da Indústria do Futuro, e do ministro Adjunto e da Economia, Pedro Siza Vieira.

A fase II do programa i4.0 “é um passo importante. Nós vamos começar a lançar já os programas de formação-ação”, no valor de 70 milhões de euros, cuja ambição “é sermos capazes de formar 200 mil pessoas em competências para atuar em ambiente digital”, afirmou o governante.

Estes programas, que envolvem associações empresariais e o IAPMEI – Agência para a Competitividade e Inovação, são lançados hoje.

Vamos também lançar novos avisos nos Sistemas de Incentivos para a Qualificação e, no terceiro trimestre deste ano, avançar com novas candidaturas aos Sistemas de Incentivos à Inovação Produtiva, para apoiar também este processo” de transformação, acrescentou Pedro Siza Vieira, adiantando que a linha de Crédito Capitalizar i4.0 também foi redesenhada.

“Para dar mais benefícios e, sobretudo agora, para casar esta linha de crédito com a avaliação da capacidade de as empresas assimilarem estes novos investimentos”, explicou o governante.

Portugal tem que ficar mais digital, a nova realidade da economia da sociedade é essa e nós temos que assegurar que as nossas empresas, que estão a ter um percurso extraordinário nestes últimos anos, com um crescimento muito grande das exportações, com investimentos muito adequados à sua modernização, participam o mais possível deste processo”, sublinhou o ministro Adjunto e da Economia.

“Ninguém vai deixar de ter um ‘smartphone’ nos próximos anos e, portanto, também as nossas empresas não devem deixar de participar neste processo”, disse Pedro Siza Vieira.

O ministro costuma dar o exemplo do telemóvel, que há 10 anos apenas servia para fazer chamadas e enviar mensagens escritas e hoje em dia dá para fazer praticamente tudo, permitindo gerir a vida a partir do ‘smartphone’, para explicar que as mudanças são rápidas.

“O tema da indústria 4.0 é um tema decisivo para a economia portuguesa como, aliás, para todas as economias europeias. Nós estamos a passar por um processo de mudança não só da forma como as fábricas e as empresas produzem, mas sobretudo da forma como as pessoas compram”, prosseguiu.

Ora, “esta mudança é muito grande, obriga a que todas as empresas sejam capazes de estar integradas digitalmente, tenham os seus processos de produção também capacitados para fazer pequenas séries, com as respostas muito afirmativas e muito flexíveis, e que sejam capazes de colaborar desta forma digital ao longo de toda a cadeia de valor: produtores comerciantes, fornecedores”, apontou.

“Esta mudança é muito importante e muito rápida”, salientou.

No âmbito da II fase do programa, que está assente em três eixos – generalizar, capacitar e assimilar –, serão mobilizados nos próximos dois anos investimentos públicos e privados de 600 milhões de euros para alargar a digitalização da economia e permitir às empresas a transição, de forma inclusiva e com base em emprego qualificado.

Lançada em 2017, a iniciativa Indústria 4.0 assenta em seis eixos de atuação prioritária: capacitação dos recursos humanos, cooperação tecnológica, criação da ‘startup’ I4.0, financiamento/apoio ao investimento, internacionalização e adaptação legal e normativa.

Foram executadas 95% das 64 medidas definidas no programa i4.0, abrangendo mais de 24 mil empresas e 550 mil pessoas“, segundo o Ministério da Economia.

Na nova fase pretende-se envolver nas várias iniciativas 20 mil empresas, formar mais de 200 mil trabalhadores e financiar mais de 350 projetos transformadores.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo apresenta fase II da Indústria 4.0

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião