Empresas apontam ataques cibernéticos como principal risco

  • Lusa
  • 11 Abril 2019

“Ataques cibernéticos em grande escala” são o principal risco que o mundo poderá vir a enfrentar em 2019, seguido de “crises fiscais e financeiras", dizem empresas portuguesas.

As empresas portuguesas acreditam que o principal risco que o mundo enfrenta este ano são os ataques cibernéticos segundo o relatório “A Visão das Empresas Portuguesas sobre os Riscos 2019”, elaborado pela corretora de seguros Marsh. De acordo com as conclusões do relatório, 66% das sociedades inquiridas acreditam que os “ataques cibernéticos em grande escala” são o principal risco que o mundo poderá vir a enfrentar em 2019, seguido de “crises fiscais e financeiras em economias chave”, com 50%.

Os “eventos climáticos extremos” surgem em terceiro lugar, com 36%, em quarto lugar a “instabilidade social profunda” (34%) e em quinto as “catástrofes naturais”, com 32%.

Segundo os resultados do estudo, que será hoje apresentado, e que já vai na quinta edição, este ano destaca-se o desaparecimento dos “ataques terroristas em larga escala” do ‘ranking’ das cinco maiores preocupações das empresas portuguesas.

As empresas deixaram de ter também entre as suas principais preocupações as “crises de água”, que apenas esteve presente no top 5 em 2018, mas voltaram a eleger a “instabilidade social profunda”, que já não aparecia desde 2017.

A Marsh revela ainda que “sobre os riscos que as empresas receiam vir a enfrentar no ano de 2019, ‘ataques cibernéticos’ é o risco com maior probabilidade de ocorrer, segundo 58% das empresas inquiridas, seguindo-se a ‘instabilidade política ou social’, com 53%”.

Em terceiro lugar estão os “eventos climáticos extremos” e a “retenção de talentos” com 31%. A “concorrência” e “crise financeira/crises fiscais”, ocupam o quarto e quinto lugares, com 30% e 27%, respetivamente, de acordo com o estudo.

A Marsh contou, para este trabalho, com a participação de cerca de 170 empresas portuguesas, de 22 setores de atividade, com diferentes volumes de faturação e número de colaboradores, sendo que 81% não são cotadas em bolsa.

O estudo foi realizado entre os dias 07 de janeiro e 15 de fevereiro, através de questionários ‘online’.

O trabalho “pretende fazer uma ponte com o ‘Global Risks Report 2019’ [Relatório de Riscos Globais], desenvolvido pelo World Economic Forum [Fórum Económico Mundial] e que contou com o apoio de parceiros estratégicos, como o Grupo Marsh & McLennan Companies”, adiantou a consultora.

A Marsh garante que os resultados do estudo mostram que “as empresas portuguesas estão mais conscientes sobre o papel que a gestão de riscos deve ter dentro das suas organizações”, o que ficou comprovado com o facto de, em 2019, 43% das empresas face a 40% em 2018 e 35% em 2017, afirmarem “dar elevada importância a esta temática”.

Ainda assim, a Marsh revela que “31% das empresas respondentes afirmam ter aumentado o valor orçamentado para a gestão de riscos. Este valor fica aquém do registado no ano de 2018, onde 41% das empresas afirmava que o valor para esta rubrica tinha aumentado”. A maioria das organizações diz que o valor estabilizou.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Empresas apontam ataques cibernéticos como principal risco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião