É um cidadão ciberseguro? Vai poder comprová-lo no curso do Centro Nacional de Cibersegurança

O objetivo do Centro Nacional de Cibersegurança é sensibilizar, formar e capacitar os cidadãos para navegarem de forma mais segura no ciberespaço. O curso começa já a 5 de fevereiro.

O objetivo é capacitar os cidadãos para se protegerem dos incidentes de cibersegurança, desde o fishing aos perigos de uma utilização pouco segura de uma pen drive. Por este mesmo motivo, o Centro Nacional de Cibersegurança (CNCS) decidiu lançar, pela primeira vez, um curso de e-learning, destinado a qualquer cidadão que queira navegar de forma segura no ciberespaço.

O curso, chamado “Cidadão Ciberseguro”, tem início já no próximo dia 5 de fevereiro, precisamente no dia em que se assinala o Dia da Internet Segura. E, se tem interesse neste tema, ainda pode inscrever-se através do site do CNCS, de forma totalmente gratuita.

“Desde o início do Centro Nacional de Cibersegurança que temos vindo a fazer várias ações de sensibilização para a cibersegurança e a ciberhigiene, em modo presencial. Mas rapidamente percebemos que neste moldes nunca conseguiríamos formar o país”, conta Isabel Batista, coordenadora do projeto, ao ECO.

Foi por esta razão que o CNCS decidiu fazer a formação nos moldes do e-learning, consciente de esta poderá ser, de facto, a melhor forma de chegar a mais pessoas. “A forma massiva não funciona em moldes presenciais”, continua Isabel Batista.

O curso “Cidadão Ciberseguro”, que decorre no âmbito do programa Simplex + 2017, está dividido em três módulos: casa, trabalho e exterior, sendo que cada um deles aborda as práticas mais seguras — chamadas de ciberhigiene — consoante o meio em questão.

“A ciberhigiene é entendida como um conjunto de práticas que procuram garantir o uso do ciberespaço sem problemas, isto é, rotinas, mas também as ações necessárias, para manter a ‘saúde’ de um cidadão e/ou colaborador de uma organização”, explica o CNCS.

No final das 15 horas (total de carga horária do curso), será feita a avaliação final, através de um quiz que pretende testar os conhecimentos adquiridos e verificar se o aluno é ou não um cidadão ciberseguro. Mas, entretanto, enquanto o curso não começa, pode ir espreitando o canal de Youtube do CNCS, onde já estão alguns vídeos relativos a este curso.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

É um cidadão ciberseguro? Vai poder comprová-lo no curso do Centro Nacional de Cibersegurança

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião