Crédito pessoal acelera. Crédito ao consumo aumenta para 575 milhões de euros

Foram disponibilizados 575 milhões de euros em empréstimos para consumo, em fevereiro, um aumento de nove milhões de euros face ao mês anterior. A subida foi suportada pelo crédito pessoal.

Os bancos e as financeiras concederam 575 milhões de euros em empréstimos ao consumo, em fevereiro, um aumento que foi suportado pelo crescimento dos créditos pessoais sem fins específicos. Esta categoria cresceu em 18 milhões de euros, para perto de 259 milhões de euros, revelou o Banco de Portugal nesta segunda-feira.

Entre janeiro e fevereiro, os bancos e as financeiras disponibilizaram 575,355 milhões de euros em crédito ao consumo. Este montante representa um aumento de 9,047 milhões de euros (+1,6%) face aos 566,308 milhões concedidos no primeiro mês do ano.

Essa evolução foi suportada pelo crescimento dos créditos ao consumo sem finalidade específica, enquanto a travagem nos empréstimos para a compra de carro, pelo contrário, impediu um aumento maior.

O montante em empréstimos pessoais sem finalidade específica, categoria que abrange por exemplo a aquisição de produtos para o lar como eletrodomésticos ou a compra de férias, ascendeu a 258,737 milhões de euros, em fevereiro. Ou seja, 18,192 milhões de euros acima dos 240,545 milhões concedidos em janeiro (+7,6%).

Crédito pessoal puxa. Crédito automóvel trava

Fonte: Banco de Portugal

Já para a compra de carro, foram disponibilizados 217,108 milhões de euros, em fevereiro, menos cinco milhões de euros do que no mês anterior (-2,3%).

Em termos homólogos também se registou uma quebra da concessão neste segmento de empréstimos, algo que já não acontecia pelo menos desde 2013, ano em que se inicia o histórico do Banco de Portugal. Mais em específico, menos 7,634 milhões de euros para a compra de carro. Aliás, seria necessário recuar até abril de 2017 para assistir a um montante mensal de crédito automóvel mais baixo do que o registado em fevereiro.

De forma desagregada, registaram-se quebras em três dos segmentos de crédito automóvel. O único a aumentar foi o crédito para aquisição de carro novo com reserva de propriedade que, entre janeiro e fevereiro, cresceu cerca de 4,6 milhões de euros, para 44,349 milhões.

Para a aquisição de carro novo, mas em locação financeira ou ALD, registou-se uma quebra de 4,7 milhões de euros, para 21,068 milhões, entre janeiro e fevereiro. No mesmo período, no caso dos carros usados, verificou-se uma diminuição de 4,7 milhões, para 144,055 milhões, nos empréstimos com reserva de propriedade. Na modalidade de locação financeira ou ALD, a redução foi de 180 milhares de euros, para 7,636 milhões de euros.

A redução da concessão de crédito automóvel coincide com a quebra nas vendas de automóveis. Os últimos dados disponibilizados pela Associação do Comércio Automóvel de Portugal (ACAP) mostram que no primeiro trimestre deste ano, as vendas de carros recuaram 4,7%.

Já no segmento de cartões de crédito, linhas de crédito, contas correntes bancárias e facilidades de descoberto, verificou-se também uma diminuição na disponibilização de financiamento. Entre janeiro e fevereiro, a concessão recuou 4,151 milhões de euros, para 92,173 milhões de euros (-4,3%), o valor mais baixo desde setembro de 2018.

Por sua vez, a categoria de outros créditos pessoais, mas com a finalidade educação, saúde, energias renováveis e locação financeira, em fevereiro manteve-se quase inalterado o nível de concessão nos 7,337 milhões de euros quando comparado com os 7,323 milhões registados em janeiro.

(Notícia atualizada)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Crédito pessoal acelera. Crédito ao consumo aumenta para 575 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião