PCP teme que PS esteja a ser empurrado para o PSD na Lei de Bases da Saúde

Comunistas afirmam que têm feito com o Governo um "exame comum" sobre a Lei de Bases da Saúde para "inverter a privatização em curso".

O PCP considera que as notícias que têm vindo a público sobre a Lei de Bases da Saúde “não podem servir de pretexto para que o PS procure com o PSD, com o patrocínio do Presidente da República” uma lei que desvalorize o Serviço Nacional de Saúde. Os comunistas criticam a divulgação de documentos que deviam estar sob “reserva”.

“As notícias que têm vindo a público a partir da divulgação de documentos que deviam ter reserva não podem servir de pretexto para que o PS procure com o PSD, com o patrocínio do Presidente da República, uma Lei que prossiga a desvalorização do SNS e o caminho de privatização da Saúde”, lê-se no comunicado enviado às redações pelo partido liderado por Jerónimo de Sousa.

O PS entregou na quarta-feira propostas de alteração à Lei de Bases da Saúde que não proíbem a existência de Parcerias Público Privadas (PPP), apesar de as condicionarem. O Bloco de Esquerda mostrou-se “chocado”, depois de ter anunciado publicamente que tinha chegado a acordo com os socialistas para o fim das PPP na saúde. Na quinta-feira, o PSD mostrou-se disponível para chegar a acordo com o PS para a Lei de Bases da Saúde, depois de o Presidente da República ter mostrado indisponibilidade para dar o ok a uma lei que vedasse a possibilidade de PPP na saúde.

Na noite de quinta-feira, o Expresso divulgou dois documentos sobre as negociações desta lei entre o Governo e o Bloco de Esquerda. O primeiro dava conta que no final de março, a ministra da Saúde, Marta Temido, tinha enviado um documento ao Bloco de Esquerda onde propunha o fim das PPP. O segundo, também divulgado pelo jornal do grupo Imprensa, é um guião enviado ao Bloco onde era definida a resposta ao eventual veto de Marcelo e onde estavam fixados os pontos de acordo, entre eles o fim das PPP sem exceções.

A posição do PCP surge depois da divulgação destes dois documentos, que fazem parte das negociações entre o Executivo e o Bloco de Esquerda.

No comunicado, os comunistas dizem que a “intervenção do PCP tem sido a de afirmar o papel do SNS em contraponto à progressiva transformação do direito à saúde num negócio, num claro favorecimento aos grupos económicos que operam no setor por via quer das PPP quer da contratualização e privatização de serviços“.

“Tem sido esta a intervenção que o PCP tem prosseguido no exame comum com o Governo de uma nova Lei de Bases da Saúde que inverta o processo de privatização em curso e a continuação de promiscuidade entre setor público e o setor privado”, dizem os comunistas.

O PCP “tem-lo feito numa base construtiva e de seriedade, evitando dar argumentos públicos aos que, incluindo no PS, se opõem a uma Lei de Bases que represente de facto um avanço e progresso decisivos”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PCP teme que PS esteja a ser empurrado para o PSD na Lei de Bases da Saúde

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião