Marques Mendes diz que “Governo deu uma grande cambalhota na questão das PPP na Saúde”

Marques Mendes diz que o Governo evitou comprar uma guerra com Marcelo Rebelo de Sousa.

“Uma grande cambalhota”. É assim que o comentador da SIC classifica a aparente mudança de posição do Governo na questão das parcerias público-privadas (PPP) na saúde.

E quais foram as razões para este recuo? Para o comentador, porque proibir liminarmente as PPP iria significar “uma vitória para o Bloco de Esquerda”, o Governo “compraria uma guerra com o Presidente da República”, “perdia votos dos moderados e não ganhava à esquerda” e ainda “dividia internamente o PS”.

Recorde-se que a 17 de abril, o deputado bloquista Moisés Ferreira anunciou o acordo com o Governo para o fim das PPP na saúde, no âmbito da Lei de Bases da Saúde. Mas o Governo veio dizer no mesmo dia que ainda só havia “documentos de trabalho”. Dias mais tarde (a 22 do mesmo mês), Catarina Martins reiterou a existência de um acordo. Mas no dia 24, o PS entregou propostas de alteração que não proíbem as PPP, embora as condicionem.

Para Marques Mendes, este caso mostra que “um Governo PS e Bloco após as eleições de outubro não vai acontecer”, recordado as desavenças nas PPP, na energia, no imposto Mortágua e ainda na questão das mais-valias imobiliárias.

Qualquer Governo com o Bloco de Esquerda é ficção cientifica”. Este recuo nas PPP, segundo Marques Mendes, “mostra uma estratégia errática do Governo, parece um cata-vento”, uma expressão idêntica à utilizada esta semana pelo também social-democrata Paulo Rangel.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marques Mendes diz que “Governo deu uma grande cambalhota na questão das PPP na Saúde”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião