Greve a 23 de Maio: “Temos 800 motoristas determinados a fazer uma greve nas mesmas dimensões da anterior”

Pardal Henriques anunciou que sindicato já enviou o pré-aviso de greve com data de início a 23 de maio. Em causa as "falsidades" ditas pela ANTRAM. SNMMP promete voltar a parar o país.

O Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) vai avançar para nova greve. Pedro Pardal Henriques, advogado do sindicato, acusa a ANTRAM de mentir no comunicado lançado esta quarta-feira e, por isso, foi já emitido um pré-aviso de greve, para 23 de maio. Assim, e três dias antes das eleições europeias, o SNMMP promete voltar a parar o país.

Segundo o representante do sindicato, o comunicado da ANTRAM está repleto de falsidades e o SNMMP está pronto a romper as negociações, se a ANTRAM não aceitar continuar sentada à mesa durante a paralisação. “O presidente já enviou o pré-aviso para todas as entidades que estão envolvidas”, revelou Pardal Henriques, ao ECO.

Em causa está o comunicado da ANTRAM que esta quarta-feira avançou com a sua versão do teor das negociações mantidas com o sindicato dos motoristas das matérias perigosas, mas com informações falsas, de acordo com o advogado do SNMMP. Além disso, é de notar que o protocolo negocial assinado entre as partes impedia a divulgação pública de detalhes concretos das negociações até ao fim das mesmas.

De acordo com Pardal Henriques, o pré-aviso do SNMMP já foi enviado à ANTRAM, aos ministérios do Trabalho e da Economia, além da ANAREC e da APETRO, as associações de revendedores de combustíveis e das petrolíferas.

O representante do sindicato nas negociações, onde também está um representante do Governo, explicou ao ECO que o SNMMP tomou esta atitude por ter constatado, no comunicado da ANTRAM, uma “falta de cumprimento da palavra” que tinha sido dada pela associação.

Segundo explicou, o SNMMP tinha concedido um prazo de dois anos para se atingir “o salário base que estávamos a pedir [1.200 euros], sendo certo que em janeiro de 2020 o salário já seria de 1.010 euros”, revelou.

É um desgaste de energia muito grande e não estamos para isso. Isto é o que têm feito com a Fectrans nos últimos 20 anos. Connosco não vai ser assim.

Pedro Pardal Henriques

Representante do SNMMP

O pré-acordo celebrado na reunião de terça-feira, prosseguiu, previa que no início de 2021 o salário base passasse para 1.100 euros e, em janeiro de 2022, então se atingiriam os 1.200 euros pedidos pelo sindicato. “Isto além dos outros pontos que ainda íamos negociar, como o reconhecimento da categoria, que já estava aceite. Mas hoje fomos surpreendidos com um comunicado oficial a dizer que o ‘sindicato tinha voltado atrás’…. É clara má-fé!”

Em resultado do comunicado da ANTRAM, apontou Pardal Henriques, “temos 800 motoristas determinados a fazer uma greve nas mesmas dimensões da anterior. Por isso é que não anunciámos ontem os valores, aquilo que dissemos é que estaria muito próximo do que tínhamos reivindicado, sendo certo que concedemos este prazo… E depois eles aparecem com este comunicado… Isto é disparatado e clara má-fé”, reiterou.

“Mais condescendentes do que temos sido, não podemos ser”

“Esta atitude da ANTRAM veio mudar a nossa postura nestas negociações, temos sido condescendestes, acreditámos nas pessoas”, continuou Pardal Henriques. “Antes de iniciar a greve passada tentámos ser recebidos, e não fomos, apresentámos as nossas reivindicações, fizemos a greve”, relatou sobre a sequência dos acontecimentos.

“A ANTRAM veio dizer que não negociava enquanto estivéssemos em greve. Foi feita a promessa de que íamos negociar. A 29 de abril disseram-nos que não sabiam o que estávamos a pedir…. [Ontem houve] um pré-acordo e hoje [8 maio] vêm publicar isto..”

“Mais condescendentes do que temos sido não podemos ser. Temos agido de boa-fé”, frisou, acrescentando que o comunicado da ANTRAM não lhes deixou outra saída que não fosse ir para a greve. “É um desgaste de energia muito grande e não estamos para isso. Isto é o que têm feito com a Fectrans nos últimos 20 anos. Connosco não vai ser assim.”

O advogado do sindicato lembrou, por fim, que os motoristas estão determinados em ver as suas reivindicações levadas a sério e que desejam ver o problema resolvido rapidamente. Questiona sobre quais poderiam ser as razões da ANTRAM para avançar com pormenores sobre o teor das negociações, Pardal Henriques concluiu: “Eles ontem tentaram evitar que fizéssemos este anúncio [acordo sobre o salário base] e devem ter sido pressionados pelos associados para fazer esta publicação.”

(Atualizado às 20h35)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Greve a 23 de Maio: “Temos 800 motoristas determinados a fazer uma greve nas mesmas dimensões da anterior”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião