Angolano Banco Económico quer posição da Seguradoras Unidas

  • ECO Seguros
  • 9 Maio 2019

O herdeiro do Banco Espírito Santo Angola pretende adquirir a posição da Seguradoras Unidas no capital da Tranquilidade – Corporação Angolana de Seguros.

O angolano Banco Económico, herdeiro do Banco Espírito Santo Angola (BESA), quer adquirir a posição da Seguradoras Unidas no capital da Tranquilidade – Corporação Angolana de Seguros, anunciou a Autoridade Reguladora da Concorrência (ARC) angolana em comunicado divulgado em Luanda.

A operação foi comunicada a 25 de março último, ao abrigo da Lei da Concorrência, aprovada em Março de 2018, que obriga à submissão prévia dos atos de concentração de empresas que atinjam uma quota de mercado ou uma faturação anual superior aos máximos definidos.

O regulamento da Lei da Concorrência sujeita a notificação prévia as operações em que “se adquira, crie ou reforce” uma quota de mercado igual ou superior a 50% ou em que isso aconteça quando a quota de mercado se situa entre 30% e 50% e a faturação individualmente realizada em Angola, no último exercício, por pelo menos duas empresas, tenha sido superior a 450 milhões de kwanzas (mais de 1,2 milhões de euros ao câmbio atual).

Também sujeita à notificação prévia as situações em que o conjunto de empresas que participam na concentração tenha realizado em Angola, no último exercício, negócios de montante superior a 3 500 milhões de kwanzas (cerca de 9,6 milhões de euros), segundo o Jornal de Angola.

O Banco Económico é o herdeiro do Banco Espírito Santo Angola, sendo um dos 12 maiores bancos comerciais a operar em Angola. A Tranquilidade – Corporação Angolana de Seguros, deu início à sua atividade em 2012, com o capital distribuído pela Tranquilidade (51%) BESA (19%) e pelos acionistas da Companhia Angolana de Seguros (30%). A seguradora atua no mercado de seguros, resseguros, investimentos, participações, representações, fundo de pensões e formação profissional. Detém, de acordo com o último relatório e contas publicado, respeitante a 2017, um ativo da ordem de 8 000 milhões de kwanzas, o equivalente a perto de 22 milhões de euros ao câmbio atual.

A Tranquilidade é detida na totalidade pela norte-americana Apollo Global Management. Foi em janeiro de 2015 que a Apollo Global Management concluiu a operação de compra da Tranquilidade acordada com o Novo Banco em Setembro do ano anterior. A seguradora manteve a participação na Corporação Angolana de Seguros, como explicou então o Grupo Apollo em comunicado. O Grupo Apollo é um gestor de fundos com ativos sob gestão no valor de 127 mil milhões de euros.

No início de 2017, após a fusão com a Açoreana, Logo e T-Vida, a Tranquilidade mudou a sua designação para Seguradoras Unidas, mantendo-se, no entanto, como marca comercial com identidade própria.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Angolano Banco Económico quer posição da Seguradoras Unidas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião