Centeno acusa contas da UTAO de estarem “entre a irresponsabilidade orçamental e a especulação”

O ministro das Finanças diz que o impacto financeiro do descongelamento das carreiras é de 800 milhões de euros, criticando outras contas que não cheguem a este resultado.

O ministro das Finanças critica os cálculos da Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO) relativas ao descongelamento do tempo de serviço dos professores e outras carreiras. Mário Centeno garante que as despesas brutas com pessoal são de 800 milhões de euros, e “todas as outras contas são entre a irresponsabilidade orçamental e a especulação”.

“O aumento das despesas com pessoal que decorrem da recuperação de todo o tempo congelado, não apenas na carreira dos professores mas em todas as carreiras em que o tempo é uma variável determinante para a progressão, tem um impacto financeiro de 800 milhões de euros”, reitera Centeno, em declarações à saída das comemorações do Dia da Europa, transmitidas pela RTP3.

Neste aspeto, “aquilo que a UTAO disse foi exatamente o mesmo que o Governo disse”, aponta Centeno. A diferença está no que diz respeito à contabilização da receita, que, segundo a UTAO, elevava o valor líquido em 398 milhões de euros, ao descontar o que o Estado receberia de volta com receitas de IRS e contribuições para a Segurança Social. O ministro das Finanças diz que esta conta é “arbitrária, e com alguma irresponsabilidade à mistura”.

“Eu não posso usar os impostos que os professores pagam, não é só o IRS, é o IMI, o IVA, o IMT, para pagar os salários dos professores, porque eu não faço isso com nenhuma outra receita destes impostos”, justifica Centeno.

“A sustentabilidade da Segurança Social tem de ser garantida com as contribuições que os trabalhadores fazem para a Segurança Social, não posso usar esse dinheiro para pagar salários”, aponta Centeno. “Retirar essas contribuições do cálculo do custo desta medida é um erro”, conclui.

(Notícia atualizada às 18h50)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Centeno acusa contas da UTAO de estarem “entre a irresponsabilidade orçamental e a especulação”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião