“UTAO desmente o Governo, demonstra que os valores estão inflacionados”, diz Bloco de Esquerda

A recuperação do tempo congelados dos professores foi o tema mais quente das declarações políticas desta tarde, com o Bloco de Esquerda a dizer que a análise da UTAO desmente o Governo.

Os números divulgados, esta quarta-feira, pela Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO) sobre a reposição integral do tempo de serviço dos professores e das restantes carreiras especiais “desmentem” os cálculos feitos pelo Executivo de António Costa, sublinhou o bloquista Pedro Filipe Soares, no plenário desta tarde. O deputado acusou o Governo de criar uma “crise artificial” baseada na “ambição de uma maioria absoluta eleitoral”. Na mesma bancada, Joana Mortágua acrescentou ainda que os dados da UTAO retiram “qualquer argumento” ao PSD e ao CDS “para recuarem”.

“A UTAO desmente absolutamente o Governo e Mário Centeno, demonstra que os valores estão inflacionados, que incluem despesas que já estavam previstas para outros fins, que confundem deliberadamente valores líquidos e brutos“, frisou Pedro Filipe Soares.

Em causa está a análise da UTAO que foi conhecida esta manhã e que projeta que a recuperação integral do tempo de serviço de todas as carreiras especiais custaria aos cofres do Estado, em velocidade cruzeiro, 567 milhões de euros em termos líquidos, valor que contrasta com os cerca de 800 milhões de euros (brutos) que o Governo anunciou como custo desta medida.

São estas diferenças que levaram o bloquista Pedro Filipe Soares a dizer: “Os dados da UTAO demonstram como o ministro Mário Centeno montou o guião financeiro desta crise artificial com base em mentiras. São contas à la Eurogrupo”.

O deputado deixou ainda críticas à direita, defendendo que esse lado do hemiciclo deu uma “cambalhota” para manter o Governo em funções. Recorde-se que, perante a ameaça de demissão do primeiro-ministro, CDS e PSD vieram esclarecer que só votariam a favor da recuperação integral do tempo congelado se fosse aprovado uma salvaguarda financeira. “O amor do CDS aos professores era conjuntural, oportunista”, atirou Pedro Filipe Soares.

Perante estas críticas, Nuno Magalhães reforçou que o Governo procedeu a uma “farsa política” e disse que o PS tem uma “posição hipócrita” e a esquerda uma posição “irresponsável de dar tudo a todos”. “O que se passou na sexta-feira foi uma farsa política, foi o primeiro-ministro igual a si próprio. Entre o interesse do país e o partidário e familiar, escolhe sempre o partidário e familiar”, disse.

Já na bancada do PSD, Maria Germana Rocha argumentou que os portugueses “não se deixam enganar” pelos argumentos financeiros, quando o PS, o BE e o PCP se preparam para chumbar as normas de salvaguarda financeira.

“Um golpe parlamentar que tresanda a charada”

A propósito, o também social-democrata Adão Silva deixou claro que se o PS não votar a favor desse travão financeiro ficará clara a “farsa” do Governo e a sua “incoerência”. “O doutor António Costa pretende acabar a legislatura da mesma forma como a começou: com um golpe parlamentar”, sublinhou ainda o deputado, referindo que está em causa um “golpe que tresanda a charada”.

Adão Silva insistiu, por outro lado, que o PSD não procedeu a qualquer “recuo” e “não tem duas caras”, já que sempre previu normas de salvaguarda financeira na sua proposta de alteração. “Não há nenhuma cambalhota do PSD”, garantiu.

Em resposta, a bloquista Joana Mortágua sublinhou que as contas avançadas pela UTAO retiram “qualquer argumento” ao PSD e ao CDS para “dar a palavra dada aos professores por não dada”. “A verdade é que ficaram reféns da falsidade dos números de Mário Centeno”, acusou a bloquista. Da mesma posição partilhou António Filipe. “As célebres propostas do PSD não são mais nem menos: mas se, mas se, mas se”, disse o comunista, defendendo que os social-democratas não querem mesmo a reposição integral do tempo perdido. “Queremos recuperar o tempo integral, mas com condições de responsabilidade financeira”, ripostou Adão Silva.

Já o socialista Porfírio Silva frisou que o PSD tinha um “duplo objetivo” neste debate: “Iludir os professores e lançar um novo ataque à escola pública”. O deputado insistiu que a recuperação do tempo congelado não estava no programa eleitoral de nenhum partido e deixou críticas aos sindicatos, que “escolheram o Governo como inimigo e serviram mal os professores”. Por fim e sobre a ameaça de demissão feita pelo primeiro-ministro, Porfírio Silva disse que o António Costa foi “leal aos portugueses” ao alertar para a “irresponsabilidade” da medida que estava em cima da mesa.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“UTAO desmente o Governo, demonstra que os valores estão inflacionados”, diz Bloco de Esquerda

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião