Sonae Sierra compra 50% de três empresas do Grupo Luís Malheiro

A empresa nacional especializada em centros comerciais tem agora uma participação no Grupo Luís Malheiro, reforçando competências nas áreas de projetos de engenharia e de manutenção de edifícios.

A Sonae Sierra adquiriu uma participação de 50% de três empresas do Grupo Luís Malheiro (LM), passando a “prestar um conjunto mais alargado de serviços a clientes nas áreas de gestão de projetos de engenharia e de gestão e manutenção de edifícios”, anunciou a empresa em comunicado.

Em causa estão as empresas LMSA, especializada em projetos de instalações técnicas de engenharia, a LMGE, especializada em gestão da manutenção, operação e manutenção de edifícios, auditorias técnicas e eficiência energética, e a LMIT, que se dedica ao desenvolvimento de software para a otimização de consumos de energia e água.

Com esta operação, a Sonae Sierra vai reforçar as suas competências em todas as áreas de engenharia e arquitetura, contando com uma equipa de profissionais especializados com competências muito diversificadas.

“Esta parceria permite-nos reforçar o nosso posicionamento como parceiros de eleição na prestação de serviços de engenharia, conceção e arquitetura para o desenvolvimento completo de todo o tipo de projetos de imobiliário, representando um marco importante para a atividade de prestação de serviços da Sonae Sierra a nível nacional e internacional”, refere José Falcão Mena, Responsável pela área de serviços de arquitetura e engenharia da Sonae Sierra, em comunicado.

Já da parte do Grupo Luís Malheiro, o presidente Luís Malheiro explica que esta operação “resulta de um forte conhecimento entre ambas as partes”. “Constitui um grande desafio para que sejamos ainda mais competentes, mais eficientes e melhor preparados, proporcionando um reforço das nossas capacidades de desenvolvimento, internacionalização e crescimento sustentado das empresas”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sonae Sierra compra 50% de três empresas do Grupo Luís Malheiro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião