Grandes seguradoras aumentam os lucros

  • ECO Seguros
  • 16 Maio 2019

O primeiro trimestre deste ano correu bem às grandes seguradoras mundiais, que anunciam o aumento dos lucros. A produção de seguros cresceu.

Zurich
A seguradora reportou crescimento em todos os segmentos do ramo não-vida (P&C na sigla em inglês, que designa property & casualty) no primeiro trimestre deste ano. O ramo não-vida registou um crescimento de 4% nos prémios de seguro, para 9,2 mil milhões de dólares (8,2 mil milhões de euros). A região que compreende a Europa, África e Médio Oriente foi, a par da América do Norte, a que registou um maior crescimento.
O diretor financeiro do Grupo Zurich (CFO), George Quinn, afirmou estar satisfeito “com o forte desenvolvimento do grupo no primeiro trimestre do ano, acentuando que estamos decididos a cumprir a nossa estratégia e os nossos planos financeiros. Esperamos atingir ou superar todas as nossas metas para este ano e estamos confiantes de que o grupo atingirá ou excederá todas as metas de 2017 a 2019”. “Quando se olha para o conjunto da indústria (seguradora) em geral, o trimestre foi relativamente benigno. Não se assistiu à escalada de eventos que ocorreram, por exemplo, no terceiro trimestre do ano passado “, adianta o responsável da Zurich citado pelas agências internacionais.
Em Portugal, em 2017, a Zurich Vida apresentou um lucro líquido de 10,17 milhões de euros, ligeiramente acima do exercício anterior, tendo os prémios brutos emitidos suplantado 143 milhões de euros, ficando abaixo do registo obtido (menos 11,6%) no exercício precedente. Todavia, os contratos de investimento aumentaram mais de 187%, para quase 38,5 milhões de euros. A quota de mercado da Zurich Vida diminui ligeiramente de 2,63% em dezembro de 2016 para 2,57% em dezembro de 2017.
Presente no mercado nacional há 100 anos a Zurich é das mais antigas companhias de seguro em Portugal.
Fundado em 1872, o Grupo Zurich está sediado em Zurique, Suíça, e conta com cerca de 55 mil colaboradores, oferecendo uma ampla gama de seguros e serviços Vida e não-Vida. O grupo opera em mais de 210 países e territórios.

Liberty
A Liberty Mutual Holding e as suas subsidiárias registaram um lucro líquido de 671 milhões de dólares (598,6 milhões de euros) no trimestre que terminou a 31 de março de 2019, o que representa um aumento de 23 milhões de dólares (20,5 milhões de euros), o equivalente a 3,5%, em relação ao mesmo período de 2018. Os prémios líquidos emitidos nos três primeiros meses do ano atingiram 9,7 mil milhões de dólares (8,65 mil milhões de euros), traduzindo um aumento de 265 milhões de dólares (236 milhões de euros) ou 2,8% em relação ao mesmo período de 2018. Segundo a seguradora, o incremento verificado resultou essencialmente do desempenho em seguros especializados. David H. Long, presidente e diretor executivo da Liberty Mutual, disse que o aumento dos lucros foi “impulsionado por melhores margens de subscrição” e pelo benefício de ganhos não realizados relacionados com títulos de participação.
Em Portugal, em 2017, a Liberty Seguros obteve resultados da ordem de 2,9 milhões de euros, menos 1,9 milhões de euros que o valor alcançado em 2016. Os prémios de seguro direto cresceram de perto de 322 mil em 2016, para quase 347 mil, com realce para a evolução do ramo não vida.
A Liberty Seguros está presente em Portugal, desde 2003, através da aquisição ao grupo Suíço – Crédit Suisse – da antiga Companhia Europeia de Seguros. A sua denominação social foi alterada para Liberty Seguros no ano seguinte.
Fundado em 1912, o Grupo Liberty Mutual Insurance, com sede em Boston, nos Estados Unidos, é constituído por um conjunto de companhias internacionais de serviços financeiros diversificados e é um dos maiores grupos seguradores norte-americanos. Reúne mais de 50 000 colaboradores distribuídos por mais de 800 escritórios em todo o mundo.

AIG
A seguradora norte-americana também anunciou ter obtido, no primeiro trimestre, lucros que superaram as estimativas de Wall Street. O lucro líquido da AIG subiu para 1,39 mil milhões (1,2 mil milhões de euros), ou 1,58 dólares (1,4 euros) por ação, um aumento de 963 milhões de dólares (859 milhões de euros), ou 1,04 dólares (1,2 euros) por ação, face a igual período do ano anterior. Os prémios brutos emitidos aumentaram 11%, para 10,2 mil milhões de dólares (9,1 mil milhões de euros). O rendimento ajustado dos negócios subiu mais de duas vezes, para 1,27 mil milhões de dólares (1,13 mil milhões de euros). Brian Duperreault, que assumiu a direção executiva da seguradora em maio de 2017, vem reformulando a cultura de subscrição, que há anos se concentra na procura de crescimento da receita sem avaliar adequadamente os riscos. O CEO e os seus representantes têm dito aos funcionários para serem mais seletivos em relação aos clientes e reduzir ou para rever políticas não lucrativas. A AIG também está a ressegurar-se para mitigar perdas em antigos negócios.
A AIG Portugal é sucursal e representação permanente no nosso país da AIG Europe S.A., que atua em território nacional há cerca de 30 anos.
A American International Group, Inc. (AIG) é uma organização mundial líder em seguros, presente em mais de 100 países e jurisdições, sendo a AIG Europe uma subsidiária do Grupo AIG.

CHUBB
A Chubb anunciou um lucro líquido e lucro operacional por ação de 2,25 dólares (2 euros) e 2,54 dólares (2,2 euros), respetivamente, no primeiro trimestre deste ano, um crescimento de 8,5% em comparação ao mesmo período do ano passado. O lucro líquido da empresa foi de mil milhões de dólares e o lucro operacional atingiu 1,2 mil milhões (mil milhões de euros), registando um crescimento de 6,7%. As perdas por catástrofes antes de impostos foram de 250 milhões de dólares (223 milhões de euros), ou 201 milhões de dólares (179,3 milhões de euros) após impostos, valores que comparam com 380 milhões de dólares (339 milhões de euros), ou 303 milhões (270,3 milhões de euros) após impostos no mesmo período do ano anterior. A receita líquida de investimentos antes de impostos foi de 836 milhões de dólares (745,8 milhões de euros). Como foi anunciado no trimestre, a empresa está, após a aprovação do governo, a aumentar a sua participação no Huatai Insurance Group na China, o que converte a seguradora numa companhia de investimento estrangeiro. No trimestre, a empresa assinou ainda um acordo de 15 anos de distribuição exclusiva com o Banco do Chile.
A Chubb afirma-se como a maior seguradora mundial cotada em Bolsa no ramo de Danos e Responsabilidade Civil (P&C). Com operações em 54 países, a Chubb oferece seguros de danos pessoais e responsabilidade civil, acidentes pessoais e seguros complementares de saúde, resseguros e seguros de vida. Em 2018 reunia 167 mil milhões de dólares (148,9 mil milhões de euros) em ativos, com os prémios emitidos a atingir o valor de 38 mil milhões de dólares (33,9 mil milhões de euros). Comercializa os seus produtos no mercado português.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Grandes seguradoras aumentam os lucros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião