Fidelidade compra 3 milhões de obrigações BCP

  • ECO Seguros
  • 22 Maio 2019

A seguradora Fidelidade, detida pela chinesa Fosum, principal acionista do BCP, comprou mais obrigações do banco no valor de 3 milhões de euros.

A Fidelidade passou a deter 5 milhões de euros em obrigações BCP 2072 AT2 emitidas pelo BCP. A companhia de seguros já detinha 2 milhões destes títulos. A seguradora atuou também em representação dos seus administradores Jorge Manuel Magalhães Correia e Lingjiang Xu, os quais são igualmente administradores do Banco Comercial Português S.A.
Jorge Manuel Magalhães Correia já detinha, antes da transação referida, em nome próprio, 88 500 ações e 200 mil euros de obrigações BCP. Já Lingjiang Xu não detinha quaisquer ações ou obrigação emitida pelo BCP. Após a transação mantiveram as mesmas posições.
As Obrigações AT2, adquiridas por 3 milhões de euros a 15 de maio, segundo informação da seguradora, têm uma taxa de 4,5% e vencimento em maio de 2017.
A Fidelidade é detida pela chinesa Fosum, que é também o principal acionista do BCP.
Além destas obrigações, a Fidelidade detém posições, direta e indiretamente, noutros instrumentos de dívida do BCP, bem como 88.500 ações do banco.

Na próxima assembleia geral dos acionistas do BCP serão apreciadas e votadas várias propostas, quer do conselho de administração do banco, quer dos acionistas. Serão ainda discutidas propostas relativas à alteração do contrato de sociedade.

No final do último exercício o Grupo Fosum detinha, entre as participações qualificadas, 27,06% do capital da instituição, a petrolífera estatal angolana 19,49%, a BlacRock 2,83% e o Grupo EDP (que também tem controlo de capitais chineses) 2,21%.

O grupo desenvolve um conjunto de atividades financeiras e serviços bancários em Portugal e no estrangeiro, onde está presente em diversos mercados: Polónia, Suíça, Moçambique, Angola (através da associada BMA) e China. Todas as suas operações bancárias desenvolvem a sua atividade sob a marca Millennium. O Grupo está ainda presente no Oriente desde 1993, mas apenas em 2010 foi realizado o alargamento da atividade da sucursal existente em Macau, através da atribuição da licença plena (onshore), visando o estabelecimento de uma plataforma internacional para a exploração do negócio entre a Europa, China e África lusófona.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fidelidade compra 3 milhões de obrigações BCP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião