Mazda 3: Familiar? Sim, mas com alma desportiva

A Mazda arrojou na estética do 3, mas também na mecânica. Tem diesel, embora a estrela seja a gasolina. É um 2.0 sem turbo, pouco mais de uma centena de cavalos, que se revela uma boa surpresa.

O Mazda 3 não perdeu a forma, mas foi só mesmo isso que restou. Do chassis, às linhas mais esguias, a piscar o olho ao apetite por um estilo mais desportivo, é tudo novo. E até debaixo do capot houve uma revolução. Há diesel, mas a estrela é a gasolina, naquela que é a primeira versão com algum tipo de eletrificação.

É, sem dúvida alguma, um automóvel que dá nas vistas. A começar pela grelha de grandes dimensões, em preto mate ou brilhante, consoante a cor da carroçaria, os faróis esguios, passando pelo longo capot — quase que faz lembrar o do MX-5 –, até à linha de cintura elevada, que sobe, sobe e sobe até se encontrar com a curva descendente do tejadilho.

É um desenho arrojado que cria um pilar volumoso que primeiro se estranha, mas depois se entranha. Dá o mote para uma inclinação pronunciada do óculo traseiro, “amparada” por um gigante spoiler. É um bónus para o look mais desportivo que, na traseira, é complementado pelos farolins em relevo, mas também as saídas de escape. Mas vem a custo do espaço na mala: 358 litros.

A curvatura pronunciada custa alguns litros à bagageira, mas também algum espaço para os ocupantes do banco traseiro. Apesar de oferecer espaço suficiente para as pernas, mesmo para alguém com 1,80 metros, entrar e sair do 3 pode exigir algum cuidado extra para evitar uma cabeçada.

Quem viaja à frente, não tem esses problemas. Só quando se tem de olhar para trás, para fazer uma simples manobra de saída do estacionamento acaba por se perceber que o óculo traseiro limita a visão, isto ao mesmo tempo que o volumoso pilar traseiro acaba por criar uma zona “cega”. Um contra compensado pelos sensores, bem como pelo ecrã de maiores dimensões que a Mazda colocou por cima do tablier. Não tem câmara, mas é intuitivo.

É neste ecrã, assente num tablier minimalista, com a ventilação embutida de tal forma que quase não se dá por ela, que estão tanto o sistema de infoentretenimento como muita da informação sobre o veículo. Por detrás do volante de três braços é possível ter muitos dados sobre a condução, mas este ecrã é especialmente útil para o condutor quando debaixo do capot se ouve um ronronar a gasolina.

A Mazda mantém a aposta no diesel, apresentando no 3 o 1.8 Skyactiv-D de 116 cv, um bloco capaz de imprimir ritmos acelerados ao familiar compacto, sendo embalado pelo turbocompressor. Mas é no motor a gasolina que a fabricante nipónica começa a desvendar o caminho para a eletrificação — está para breve a chegada do híbrido plug-in, o Skyactiv-X –, a optar por um 2.0 mild hybrid (conta com um motor elétrico de 6 kW).

Optar por um 2.0 pode parecer arriscado. Mas mais ainda é a ausência de turbo, o que faz com que a potência não impressione: 122 cv. Mas isso tudo tem uma explicação: necessidade de controlar os consumos. Este bloco, sem turbo, conta com a ajuda do motor elétrico, mas também de um sistema que desativa os cilindros quando estes não são necessários. E isso é visível no tal ecrã.

Esta conjugação permite ter debaixo do pé direito um motor com um ronronar simpático que, apesar de não ser muito solicito a baixas rotações, acaba por subir rapidamente de regime assim que se passa das 3.500 rotações. E aí é ver o ponteiro chegar perto das 7.000. Não é um carro rápido — aliás, o diesel até é mais “vivo” –, mas a posição de condução mais próxima do chão acaba por dar uma sensação de maior velocidade. E transmite também uma segurança que nos impele a desafiar o chassis curva após curva.

Enquanto no caso do diesel a marca anuncia consumos de 4,1 litros aos 100 km, para o 2.0 a gasolina o valor homologado é pouco superior, de apenas 5,1 litros. Em condução real, acabam por ficar muito próximos, ainda que o motor a gasolina obrigue a um regime mais regrado. E em termos de preço, o 3 a gasolina sai bem mais barato que a versão a gasóleo. São 26 contra cerca de 30 mil euros para as versões Evolve.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Mazda 3: Familiar? Sim, mas com alma desportiva

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião