Hoje nas notícias: BES, dívida e condutores perigosos

  • ECO
  • 3 Junho 2019

Dos jornais aos sites, passando pelas rádios e televisões, leia as notícias que vão marcar o dia.

Grande parte dos antigos gestores envolvidos na insolvência do BES fazem parte da lista de credores reconhecidos pela comissão liquidatária da instituição. Para a nova líder do Conselho das Finanças Públicas, a dívida pública deve ser o foco do país. Os condutores que andam pela estrada não têm cumprido as ações necessárias depois de cometer infrações graves, nomeadamente frequentar ações de formação. Veja estas e outras notícias que marcam as manchetes nacionais.

Gestores acusados da queda do BES reclamam 24 milhões

A esmagadora maioria dos ex-gestores que foram considerados responsáveis pela insolvência do Banco Espírito Santo (BES) estão entre os quase 5.000 credores reconhecidos pela comissão liquidatária do banco falido, reclamando um montante total superior a 24 milhões de euros. Só o antigo presidente da instituição, Ricardo Salgado, exige ser ressarcido em 9,9 milhões de euros, segundo a lista de credores que deu entrada no Tribunal de Comércio de Lisboa.

Leia a notícia completa no Jornal de Negócios (acesso pago).

Portugal podia ter ido “mais além na consolidação orçamental”, diz presidente do CFP

A nova líder do Conselho das Finanças Públicas (CFP) considera que “o processo de consolidação orçamental não se pode considerar concluído” e que agora é tempo de fazer incidir os holofotes sobre a dívida pública. “Pode-se considerar que agora temos uma menor exigência no défice, mas, ainda assim, ela é determinada em vista daquilo que é atualmente o objetivo essencial que é a redução da dívida pública”, disse Nazaré Costa Cabral, em entrevista ao Público.

Leia a notícia completa no Público (acesso pago).

Segurança Rodoviária perdeu o rasto a 1.342 condutores perigosos

A maioria dos condutores portugueses que cometeu contraordenações graves no ano passado acabaram por não enfrentar as consequências. Quem é apanhado em infrações como excesso de velocidade, álcool e condução perigosa pode optar por frequentar uma ação de formação, para evitar ter de entregar a carta. Mas dos 2.589 condutores perigosos que cometeram uma destas contraordenações, 1.342 não entregaram a carta nem fizeram a formação.

Leia a notícia completa no Diário de Notícias (acesso pago).

Autarcas de Lisboa e Porto defendem regionalização

Fernando Medina e Eduardo Vítor Rodrigues querem um avanço mais marcado na regionalização. O presidente da Câmara de Lisboa defende que esta pasta “deve avançar na próxima legislatura”, bem como ser inscrita no programa eleitoral do Partido Socialista, em entrevista ao Jornal de Notícias. Os autarcas apontam também para um referendo sobre o tema na próxima legislatura.

Leia a notícia completa no Jornal de Notícias (acesso pago).

Lucro da ANA cresceu para 282 milhões

A empresa concessionária dos aeroportos nacionais teve lucros de 282 milhões de euros no ano passado, um valor que se traduz num aumento de 13% em relação a 2017. O volume de negócios da ANA – Aeroportos de Portugal chegou aos 782 milhões de euros, mais 10% do que no ano anterior. Passaram no total 55 milhões de passageiros e 41 mil aviões nas infraestruturas desta empresa, detida pela Vinci, no ano passado.

Leia a notícia completa no Jornal de Negócios (acesso pago).

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: BES, dívida e condutores perigosos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião