Festas em Lisboa. 5 sugestões para fugir à confusão dos arraiais

Junho é um mês de festa em Lisboa. Há multidões, música pimba e na rua cheira a sardinhas. Como fugir a esta confusão? Estas são cinco sugestões alternativas para desfrutar da capital.

Durante o mês de junho as ruas de Lisboa enchem-se de pessoas para celebrar os santos populares. As multidões podem afugentar os que não são fãs de arraiais, mas não é obrigatório ficar em casa. Estas são cinco sugestões de atividades para fugir à confusão.

É a maior edição de sempre da Feira do Livro de Lisboa. Esta é a 89.ª edição. Até dia 16 de junho, o Parque Eduardo VII enche-se de literatura e a entrada é livre. Há 328 stands, mais 32 do que no ano anterior, e 25 novos participantes. Entre as principais atrações do evento estão claramente os descontos praticados face ao preço de capa, as apresentações de livros, sessões de autógrafos e ainda showcookings. Nesta edição até o ministro das Finanças passou por lá e aproveitou para responder a Rui Rio sobre “a crise do regime”.

Feira do Livro 2019

 

As ruínas do Convento do Carmo vão mostrar a história de Portugal nas suas paredes. O espetáculo multimédia consiste numa projeção a 360 graus, com música e dança, que tornam o espaço numa tela tridimensional. Esta máquina do tempo é executada pelo ateliê OCUBO.

Há sessões até 17 de julho, de segunda a sábado, às 21h30 e 22h45. Os bilhetes custam 15 euros por pessoa, mas há preços especiais para crianças e famílias.

” /]

O CineConchas está inserido no programa de festas de Lisboa, mas está fora dos arraiais. Durante três semanas, o jardim da Quinta das Conchas transforma-se numa gigantesca sala de cinema ao ar livre. Esta 12.ª edição realiza-se de 27 a 29 de junho e de 4 a 13 de julho, a partir das 21h45. O calendário é extenso e o leque de filmes variado.

Para quem gosta de fazer da rua a sua sala de cinema, existe também o Cine Society. A edição de 2019 leva filmes de culto e comerciais às conhecidas esplanadas de Lisboa e Cascais. Os bilhetes estão entre os 12 euros — que inclui auscultadores, manta e pipocas — e os 48 euros, que permitem reservar um sofá para cinco pessoas.

A peça de teatro de Dennis Kelly, encenada e traduzida por Tiago Guedes, vai estar em cena até dia 28 de junho no Teatro Nacional D. Maria II. O protagonista da história é interpretado pelo humorista Bruno Nogueira. Os espetáculos são de quarta a domingo e o preço dos bilhetes varia entre os nove e os 16 euros.

A 13.ª edição do Out Jazz já começou em maio, mas prolonga-se durante todo o verão, por toda a cidade. Os domingos de junho levam o jazz, soul, funk e hip-hop aos jardins do Campo Grande. O programa é vasto e diferenciado, com entrada livre e atividades a partir das 17h00.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Festas em Lisboa. 5 sugestões para fugir à confusão dos arraiais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião